Bem vinda Primavera!


Não há nada neste mundo que não fale.
Cada coisa e cada ser estão continuamente falando a sua natureza, o seu caráter, o seu segredo;quanto mais o sentido interno estiver aberto,mais capaz de ouvir a voz de todas as  coisas ele será.
Se a alma estivesse desperta para sentir
o que os pássaros sentem quando cantam
na floresta ao amanhecer, o homem saberia
que a prece deles é ainda mais exaltadora
do que a sua, pois ela é mais natural.
            Hazrat Inayat Khan












Não há nada neste mundo que não fale.
Cada coisa e cada ser estão continuamente 
falando a sua natureza,
 o seu caráter, o seu segredo;
quanto mais o sentido interno estiver aberto,
mais capaz de ouvir a voz de todas as  coisas ele será.
Se a alma estivesse desperta para sentir
o que os pássaros sentem quando cantam
na floresta ao amanhecer, o homem saberia
que a prece deles é ainda mais exaltadora
do que a sua, pois ela é mais natural.
            Hazrat Inayat Khan

A primavera,
A mais bela das estaçõesA primaveraEm cores, vida, alegria e floresO sol gentil,as manhãs amenasEm cores, vida, alegria e flores  Pássaros a cantarem,voarem Em cores,vida ,alegria e flores O colher do néctar pelo beija-flor Em cores, vida, alegria e flores Enleva a alma, que faz poesia...  Em cores,vida,alegria,flores A Sinfonia Divina... Em cores,vida,alegria e floresRegida com harmonia,Em cores,vida.alegria e flores Pelo maestro do amor  
Nadja Feitosa 

 

 Primavera,
           Linda sinfonia

Regida em sintonia e harmonia
          Pelo maestro do amor

Em cores,vida.alegria
brotam as  flores,
cantam os passáros

          Canta a vida com maestria

Em sintonia e harmonia,
           Em cores vida alegria e flores 

Nadja Feitosa      
                

      
No inverno,
os ramos nus que parecem dormir
trabalham em segredo,
preparando-se para a primavera.
Rumi





ÚLTIMA PRIMAVERA


Poema de Robindronath Tagore, do seu livro Purobi (1925), dedicado a Victoria Ocampo









Antes que o Dia Termine
Consente-me êste desejo:

vamos colhêrflôres da primavera
pela última vez.
Das muitas primaveras que ainda visitarão tua morada,
concede-me uma, implorei. 
Todo êste tempo,
não prestei atençãoàs horas,

perdidas e gastas à-toa.
Num lampejo de um crepúsculo,
li nos teus olhos agora que meu tempo está próximo e devo partir. 
Assim, ávido, ansioso,conto um por um 
- como o avarento o seu ouro
 –os últimos poucos dias de primavera 
que ainda me restam.
Não tenhas mêdo.
Não me demorarei muito no teu jardim florido,
quando tiver de partir,no fim do dia.
Não procurarei lágrimas nos teus olhos 
para banhar minhas lembranças no orvalho da piedade.
 Ah, escuta-me,
não te vás.
O sol ainda não se esconde.
Podemos permitir que o tempo se prolongue.
Não tenhas mêdo.
Deixa que o sol da tarde olhe por entre a folhagem 
e se detenha um momento brilhando no mesmo rio do teu cabelo.
Faze o tímido esquilo,perto do lago,
fugir de repente ao estrépito de teu riso 
que irrompe com descuidosa alegria.
Não procurarei retardar teus rápidos passos,
sussurrando esquecidas lembranças aos teus ouvidos. 
Segue teu caminho depois,
se teu dever é seguir, se tens de seguir 

calcando fôlhas caídas com teu andar apressado,enquanto as aves que voltam povoam o fim do dia com o clamor de seus gritos. 
Na escuridão crescente,
tua distante figura irá fugindo 
e apagando-se 
como as últimas frágeis notas do cântico da tarde.
 Na noite escura,
senta-te à tua janela,que eu passarei pela estrada,

seguindo o meu trajeto,deixando tudo para trás.
Se te aprouver,atira-me as flôres que te dei pela manhã,
murchas agora ao fim do dia.
Isso vai ser o último e supremo presente:
tua homenagemde despedida.




                                          O Amor cria harmonia que cria a beleza                   


Portanto, o principal lema da vida é: 
“Amor, harmonia e beleza”.
Ame em todas as coisas e em todos os seres o Deus amado, esteja em harmonia com todas as coisas com a compreensão correta e embeleze a sua vida ao observar a beleza dentro e fora.
Através do amor, da harmonia e da beleza você deve transformar a totalidade da vida em uma única visão da glória divina.
A vida é uma sinfonia e a ação de cada pessoa nesta vida é a execução do seu trecho particular na música.
Uma vez que uma alma despertou para a contínua música da vida, essa alma considera como sua responsabilidade, como seu dever, desempenhar a sua parte na vida externa, mesmo que isso seja contrário à sua condição interna naquele momento.
Não há nada neste mundo que não fale. Cada coisa e cada ser estão continuamente falando a sua natureza, o seu caráter, o seu segredo; quanto mais o sentido interno estiver aberto, mais capaz de ouvir a voz de todas as coisas ele será.
Se a alma estivesse desperta para sentir o que os pássaros sentem quando cantam na floresta ao amanhecer, o homem saberia que a prece deles é ainda mais exaltadora do que a sua, pois ela é mais natural.
Não há nada no mundo que não seja um instrumento de Deus.
O som é o sinal da vida; nos templos dos deuses e deusas Hindus, os sinos soando mostram vida mesmo no silêncio.
O som está oculto sob as palavras e as palavras ocultas sob os sons. Quando percebemos as palavras, não percebemos o som que está por trás e quando percebemos o som, não percebemos as palavras por trás. Quando o poeta percebe palavras, o músico percebe o som por trás. O místico percebe até mesmo nesse som a Palavra que era Deus.
O tom continua, o tempo expira.O tom vive no tempo, o tempo assimila o tom.
Deus não está no tempo. Desse modo, Ele está no silêncio. O som é parte do mundo do tempo.
O ritmo não pode existir sem o tom, nem o tom sem o ritmo. Eles são interdependentes para a sua existência e o mesmo se aplica ao tempo e o espaço.
O barulho vem da inquietude e a inquietude é o ritmo destrutivo.
A atmosfera do homem explica a condição de sua alma. Quanto mais avançamos, mais nossas disputas e discussões cessam. Elas vão sumindo até que não sobre nenhuma cor nelas e quando a cor toda se vai, a luz clara vem, a qual é a luz de Deus.
Nirvana significa sem cor. O que é cor? Certo e errado, pecado e virtude – tudo isso é cor; mas no reino da verdade eles desaparecem, da mesma forma que todas as cores somem no resplendor da luz. Aquele que percebeu isso entrou no nirvana. Um Sufi deve sempre reconhecer em Deus a fonte de todas as coisas e a origem de todos os seres."
Hazrat Inayat 

Bem Vinda Primavera!

Primavera
A primavera chegará, mesmo que ninguém mais saiba seu nome, nem acredite no calendário, nem possua jardim para recebê-la. A inclinação do sol vai marcando outras sombras; e os habitantes da mata, essas criaturas naturais que ainda circulam pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida para a primavera que chega. Finos clarins que não ouvimos devem soar por dentro da terra, nesse mundo confidencial das raízes, — e arautos sutis acordarão as cores e os perfumes e a alegria de nascer, no espírito das flores. Há bosques de rododendros que eram verdes e já estão todos cor-de-rosa, como os palácios de Jeipur. Vozes novas de passarinhos começam a ensaiar as árias tradicionais de sua nação. Pequenas borboletas brancas e amarelas apressam-se pelos ares, — e certamente conversam: mas tão baixinho que não se entende. Oh! Primaveras distantes, depois do branco e deserto inverno, quando as amendoeiras inauguram suas flores, alegremente, e todos os olhos procuram pelo céu o primeiro raio de sol. Esta é uma primavera diferente, com as matas intactas, as árvores cobertas de folhas, — e só os poetas, entre os humanos, sabem que uma Deusa chega, coroada de flores, com vestidos bordados de flores, com os braços carregados de flores, e vem dançar neste mundo cálido, de incessante luz. Mas é certo que a primavera chega. É certo que a vida não se esquece, e a terra maternalmente se enfeita para as festas da sua perpetuação. Algum dia, talvez, nada mais vai ser assim. Algum dia, talvez, os homens terão a primavera que desejarem, no momento que quiserem, independentes deste ritmo, desta ordem, deste movimento do céu. E os pássaros serão outros, com outros cantos e outros hábitos, — e os ouvidos que por acaso os ouvirem não terão nada mais com tudo aquilo que, outrora se entendeu e amou. Enquanto há primavera, esta primavera natural, prestemos atenção ao sussurro dos passarinhos novos, que dão beijinhos para o ar azul. Escutemos estas vozes que andam nas árvores, caminhemos por estas estradas que ainda conservam seus sentimentos antigos: lentamente estão sendo tecidos os manacás roxos e brancos; e a eufórbia se vai tornando pulquérrima, em cada coroa vermelha que desdobra. Os casulos brancos das gardênias ainda estão sendo enrolados em redor do perfume. E flores agrestes acordam com suas roupas de chita multicor. Tudo isto para brilhar um instante, apenas, para ser lançado ao vento, — por fidelidade à obscura semente, ao que vem, na rotação da eternidade. Saudemos a primavera, dona da vida — e efêmera.Texto extraído do livro "Cecília Meireles Obra em Prosa - Volume 1" Editora Nova Fronteira Rio de Janeiro, 1998, pág. 366.

Sentimentos são
Fáceis de mudar.
Mesmo entre quem,
Não ver que alguém pode ser seu par.

Basta um olhar,
Que o outro não espera
Para assustar
E até perturbar, mesmo a bela e a fera.

Sentimento assim,
Sempre é uma surpresa.
Quando ele vem, nada o detém,
É uma chama acesa.

Sentimentos vem,
Para nos trazer
Novas sensações, doces emoções
E um novo prazer.

E numa estação
Como a primavera,
Sentimentos são como uma canção,
Para a Bela e a Fera...

Sentimentos são como uma canção,
Para a Bela e a Fera
         
Acima de todo céu chuvoso, nos espiam as estrelas mais brilhantes.
Radiante

A primavera
 a mais bela das estações, 
so poderia ser a sua data natalicia.
Meu amor por ti
é como a estação da primavera
ve-se em tudo cores,luzes e flores.
risos,alegria e poesias,
você é a primavera em mim
 Douglas A.
para  esposa 
Nadja Feitosa
(Lecythis pisonis Cambess)

Setembro floresce em sapucaias,vórtice de abelha em aroma roxo-lilás.Logo a flor será cumbuca de fruto.Bendito o tempo entre floração e semente,doce a amêndoado beijo que eu consigo roubar.  'Efemérides'Fotografia

Fernando CampanellaFrutos da árvore Sapucaia.(Cambucas) 

Manhãs de Setembro.

                                                           Krishna, a música e as flores!

A Krishna, atribui-se ter promovido com música o fascinante crescimento e o encantador verdor das plantas em Vrindavan, uma cidade à margem do rio Jamuna, no centro-norte da Índia, famosa pelos seus santos-músicos. Muito mais tarde, consta que um cortesão ligado ao célebre imperador mongol Akbar conseguiu realizar com sua música milagres tais como fazer chover, acender lâmpadas a óleo e induzir as plantas simplesmente por entoar ragas para elas, a florescer e frutificar mais depressa.Sabedor dessas antigas crenças, T. C. Singh (botânico hindu) sugeriu à sua assistente que executasse para as plantas uma melodia do sul da Índia, a raga intitulada Maya-malava-gaula. Daí a duas semanas, Singh se excitou loucamente ao descobrir que o número de estômatos por área unitária encontrava-se 66% mais alto nas plantas experimentais, que as paredes epidérmicas estavam mais grossas e que as células do parênquima em paliçada revelavam-se às vezes até 50% mais longas e mais largas do que as plantas tomadas como referência... Estimulado pelo êxito, Singh passou a cogitar se o som, em prescrições metódicas, não poderia favorecer as lavouras e levar a colheitas mais abundantes. De 1960 a 1963, usando agora vitrola e auto-falante, irradiou Charukesi Raga para seis arrozais em diferentes fases de crescimento e obteve colheitas entre 25 e 60% mais altas que a média regional... Mais tarde, Singh relatara outra proeza: só ao executar o mais antigo estilo de dança da Índia, o Bharata-natyam, sem acompanhamento musical e sem penduricalhos nos tornozelos, um grupo de moças pôde acelerar extraordinariamente o crescimento de margaridas, tagetes, cravos e petúnias, levando-os a florescer duas semanas antes das plantas referenciais; o fato foi atribuído à transmissão, pela terra, de seus passos de dança... A vida secreta das plantasPeter Topkins e Christopher Bird

Primavera Iluminada

Adriana Mezzadri

A primavera não é uma estação É a sua própria mente A vida não é o corpo não É a expressão da sua mente
Faça da sua mente uma eterna primavera Deixe florir sempre sua mente de primavera Faça da sua mente uma eterna primavera Faça da vida uma primavera iluminada
Envelhecer não é o avançar da idade É uma situação, um estado da mente Viver não é o transcorrer do tempo É eternizar o tempo
Faça da sua mente uma eterna primavera Deixe florir sempre sua mente de primavera Faça da sua mente uma eterna primavera Faça da vida uma primavera iluminada
Faça da sua mente uma eterna primavera Deixe florir sempre sua mente de primavera Faça da sua mente uma eterna primavera Faça da vida uma primavera iluminada
Primavera... iluminada...

Se o mundo inteiro está cheio de espinhos,
o coração dos amantes é um roseiral.
Se a roda parasse de girar,
o mundo dos amantes continuaria a se mover.
Se todos os seres ficassem tristes, a alma dos amantes
permaneceria nova, viva e leve.
Onde houver uma vela apagada, que seja dada ao amante,
pois ele tem cem mil luzes.
Rumi

Postar um comentário