Kirliangrafia

                 A ORIGEM DA KIRLIANGRAFIA
 
 


 Próximo ao final do ano de 1939, em uma pequena cidade ao sul da antiga União Soviética, Semyon Davidovich Kirlian, um eletricista famoso por seus bons serviços de manutenção em equipamentos eletro-eletrônicos, obtinha acidentalmente (ou não), a primeira Foto Kirlian da história. Ao ser chamado para consertar um aparelho de eletromedicina de um hospital local, Kirlian encostou a mão em uma peça energizada e foi vítima de uma fortíssima descarga elétrica. No momento do choque, ele observou que entre seus dedos e a peça energizada, formavam-se interessantes e maravilhosas "luminescências azuladas". Sem saber o que havia descoberto, e sem se preocupar muito com a dor, ele novamente encostou sua mão na peça energizada, só que desta vez com um filme fotográfico entre eles e na mais completa escuridão. Ele colocou o filme no revelador e a medida que a foto era formada, Kirlian se deparava com maravilhosos matizes e raios, que aos poucos iam tomando a forma de sua mão. É claro que naquela época Kirlian nem se quer imaginava o que havia descoberto, e mesmo sem saber o que aquelas estranhas formas podiam revelar, ele iniciou suas pesquisas, sempre muito bem apoiado por sua esposa Valentina que sempre estava disposta a ser sua "cobaia" nas fotos.


    O tempo foi passando e Kirlian desenvolveu aparelhos que pudessem lhe proporcionar as fotos sem a desagradável dor e os malefícios das descargas elétricas. Certa vez se deparou com uma foto estranha, diferente do "padrão" que estava acostumado a obter. Kirlian testou todos os componentes da máquina, tirou novas fotos e as mesmas estranhas formas estavam presentes. Poucos dias depois ele adoeceu com sérios problemas cardíacos, provavelmente conseqüentes das experiências com a alta voltagem, só que a estranha foto que tirou de seu próprio dedo já lhe mostrara isso, mesmo antes dele adoecer. Quando os cientistas ficaram sabendo desse fato, com o aval dos líderes estaduais passaram a dar certa atenção às pesquisas que Kirlian e sua esposa vinham fazendo. Certa vez um cientista levou duas folhas aparentemente de um mesmo vegetal para que Kirlian as fotografasse. Ao revelar as fotos, uma delas apresentava maravilhosos contornos luminescentes, enquanto a outra apenas manchas ou borrões luminosos podiam ser vistos. Somente após chamar o cientista à sua casa é que Kirlian ficou sabendo que o vegetal cuja folha proporcionou a foto ruim já havia até morrido, contaminado com uma doença. Somente então é que o trabalho que Kirlian vinha realizando tornou-se realmente reconhecido e se tornou instrumentos de pesquisas mais sérias.

    O primeiro relato importante sobre as pesquisas de Kirlian, trazido aqui para o Ocidente, foi o livro Experiências Psíquicas Além da Cortina de Ferro, de Lynn Schroeder e Sheila Ostrander, lançado em 1970.

    Aqui no Brasil, as primeiras pesquisas foram feitas pelo Engenheiro Hernani Guimarães Andrade, fundador do Instituto Brasileiro de Pesquisas Psicobiofísicas (IBPP), adaptando a tecnologia Kirlian à nossa realidade e possibilitando a obtenção das primeiras eletrografias brasileiras, de boa qualidade e de custo relativamente baixo.

    Desde seu descobrimento, duas décadas se passaram até que as mistériosas "Fotografias da Aura" chegassem até nós. De lá para cá muita coisa aconteceu, muitas pesquisas foram feitas, muitas dúvidas foram levantadas. Lamentavelmente, muito misticismo e muitas especulações foram feitas sobre o que realmente estava se obtendo com as fotos Kirlian ou eletrografia e isso atrapalhou bastante sua aceitação pela ciência.

    Hoje na Rússia, as Eletrofotografias já são utilizadas para diagnósticos de doenças (físicas e emocionais) e em análises de sementes que possibilitam colheitas mais produtivas, pois foi devidamente reconhecido pela ciência. Compete a nós, pesquisadores brasileiros, encarar o assunto com a seriedade e profundidade que merece, para que isso também ocorra.


Semyon D. Kirlian


                          Bioletrografia a conhecida foto Kirlian

Uma Foto Kirlian ou uma Bioeletrografia ou, ainda, um Bioele-trograma, nada mais é do que a fotografia da ionização dos gases e ou vapores exalados pelo corpo, através dos poros da pele.



As cores e as estruturas geométricas que nela aparecem nos per-mitem diagnosticar problemas de saúde orgânica e/ou psíquica.A todo instante, nossos corpos estão exalando gases e/ou vapores, inclusive os feromônios, vapores específicos cujo odor promove a atração sexual.




Na foto kirlian ou bioletrografia a película do filme registra os gases exalados pelo corpo humano naquele exato momento. O halo colorido, em redor, é o que realmente nos interessa explicar. 



No halo dos dedos podemos distinguir as cores branca, azul, vermelha, rosa e também estruturas geométricas diversas são analisadas.Às vezes, podem aparecer outras cores também como o amarelo dourado e o negro.



As cores representam a área psicologica, preocupações, ego, hiperatividade, apatia, angústia, ansiedade,sentimentos,conflitos, a sexualidade, forma de pensamento, área parapsicológica, possíveis problemas de saúde, etc...

O problema é tirar uma foto e não ter a explicação adequada.Gerar expectativa e conflito na pessoa que tirou a foto, a análise precisa ser bem conduzida para que não crie conflito na pessoa avaliada.

O bom senso é o que vale.Saibam que a foto registra aquele momento específico, e nós como seres em desenvolvimento e transformação somos capazes através do pensamento e trabalho interno mudar tudo, inclusive nosso aspecto orgânico. Mudamos sempre! Pode ser até que nem semrpe para melhor mas mudamos. No Universo nada é fixo.
Abraços fraternais e uma boa semana a todos!










AS CORES DA SUA AURA


Mesmo hoje, as cores ainda são usadas nas culturas mais desenvolvidas para evidenciar diversos conceitos sociais e religiosos. Dentre os exemplos mais comuns estão o branco representando a pureza, o verde significando vida, o vermelho denotando coragem e o preto expressando luto. Inúmeras universidades se valem das cores para diferenciar campos diferentes de aprendizado. No exercito, varias cores e suas combinações adquirem significado especial na linguagem em código.

No âmbito pessoal, é fato que as nossas emoções sofrem grande influencia das cores. Algumas são estimulantes e outras, repousantes. A maioria de nos sente prazer com certas cores e desprazer com outras. As pesquisas têm mostrado que há cores que despertam o apetite, enquanto outras provocam a sensação de odor. Existem aquelas consideradas neutras. Quase todos têm predileção por uma cor, e entre as favoritas está o azul.

Talvez não surpreendentemente, a coloração é um dos atributos fundamentais da aura humana, uma vez que constitui uma manifestação visível de energia em que cada cor designa funções energéticas especificas.

A aura arco íris se caracteriza pela disposição das cores em camadas esféricas que circundam o corpo.

Algumas vezes essas camadas são distintas e, em outras, misturam-se suavemente, criando regiões fronteiriças de coloração mista. As cores podem aparecer na aura sob a forma de borrões desordenados que se desvanecem em outras tonalidades, ou podem compor corpos monocromáticos isolados (bloqueios energéticos).

Apesar da aura humana jamais ser inteiramente branca ou negra, áreas brancas ou negras podem surgir ocasionalmente em forma de pontos concentrados de luz ou escuridão, e não como regiões extensas.

Além da distribuição, a intensidade, amplitude e nitidez das cores da aura também variam muito. De quando em quando, pequenas concentrações de cor incandescente e muito brilhante podem ser notadas numa aura que, não fosse por isso, seria absolutamente comum. Em geral, a intensidade, a amplitude da cor, constituem indicadores confiáveis do poder de sua energia, de modo que quanto mais intensa e ampla a cor, mais fortes são sua influencia e importância simbólica.

A nitidez ou luminosidade da cor é outro índice de sua força, pois quanto mais nítida ou luminosa a cor, mais poderosa é a sua influencia sobre a pessoa. Auras esmaecidas ou desbotadas quase sempre exercem um efeito debilitador ou apontam desenergização.

A REPRESENTAÇÃO DE CADA COR NA AURA

A aura arco íris se caracteriza pela disposição das cores em camadas esféricas que circundam o corpo.

Normalmente, o ser humano tem 8 camadas esféricas, coloridas e cada uma delas possui um papel diferente da outra conforme veremos abaixo:

AZUL: cor que representa o nível de equilíbrio do ser humano.

VERDE: cor que representa a saúde física e emocional.

VIOLETA: cor que representa a capacidade de transmutação de obstáculos, problemas, energias e etc.

AMARELO: cor que representa a auto-estima, auto confiança e a capacidade de alcançar sucesso financeiro e profissional.

ROSA: cor que representa a afetividade, o amor, os relacionamentos.

BRANCO: cor que representa a paz interior do ser humano.

VERMELHO: cor que representa o ânimo, a força, a alegria, a motivação do ser humano.

DOURADO: cor que representa a proteção do campo áurico. — 

Por: Vania Chammas.

Postar um comentário