A Fonte


Conhecerás a Deus sem imagem,
 sem aparência e sem meios.

 Enquanto este ele e este eu, a saber,

 Deus e a alma, não forem um único aqui,

 um único agora, o eu não poderá trabalhar

 nem identificar-se com aquele ele.

 (Mestre Eckhart)

Pergunta: Por que é que nós naturalmente parecemos
 pensar em nós mesmos como indivíduos separados?

Maharaj: Seus pensamentos sobre individualidade não são realmente seus próprios pensamentos, são todos pensamentos coletivos. Você pensa que você é a pessoa que tem os pensamentos, mas de fato os pensamentos surgem dentro da consciência. Conforme nosso conhecimento espiritual cresce, nossa identificação com um corpo-mente individual diminui, e nossa consciência expande-se na consciência universal. A força da vida continua a atuar, mas seus pensamentos e ações já não são limitados a um indivíduo. Transformam-se na manifestação total. É como a ação do vento - o vento não sopra para nenhum indivíduo em particular, mas para a manifestação total.

Q: Como um indivíduo, é possível retornar à fonte?
M: Não como um indivíduo, o conhecimento “eu sou” deve retornar à sua própria fonte. Agora, a consciência identificou-se com uma forma. Mais tarde, ela compreende que não é essa forma e segue adiante. Em alguns casos ela pode alcançar o espaço, e muito frequentemente, pára ali. Em pouquíssimos casos ela alcança sua fonte real, além de todo condicionamento.
É difícil abandonar essa inclinação de identificar o corpo como sendo o 'Ser' (Self). Eu não estou falando com um indivíduo, estou falando para a consciência. É a consciência que deve procurar sua fonte. Daquele estado de não-ser surge o sentido de existência. Ele surge tão quietamente quanto o crepúsculo, com apenas uma sensação de “eu sou” e então de repente o espaço está lá. No espaço, o movimento começa com o ar, o fogo, a água, e a terra. Todos estes cinco elementos são justamente você. De sua consciência tudo isto aconteceu. Não há nenhum indivíduo. Há somente você, o funcionamento total é você, a consciência é você. Você é a consciência, todos os títulos dos deuses são os seus nomes, mas identificado ao corpo você se entrega ao tempo e à morte - você está impondo isso a você mesmo. Eu sou o universo total. Quando eu sou o universo total não tenho necessidade de nada porque eu sou todas as coisas. Mas abarrotei eu mesmo em uma coisa pequena, um corpo; fiz de mim um fragmento e tornei-me necessitado de coisas. Eu preciso de tantas coisas sendo um corpo. Na ausência de um corpo, você existe; quando não tinha um corpo você existia? Você estava lá ou não? Alcance esse estado que é e era anterior ao corpo. Sua natureza verdadeira está aberta e livre, mas você a encobre, você dá a ela várias formatações.










"O homem é como uma garrafa cheia de água, fortemente arrolhada, lançada no meio do Oceano. Tem dentro de si a mesma 
substância de que é feito o Oceano, mas a sua mente (a rolha) o impede de tornar-se Uno com essa imensidão" Sri Ramakrisna

Essa imagem criada pela garrafa fechada, cheia de água do oceano, boiando em pleno Oceano...o que nos aponta?

O que nos faz nos sentirmos tão miseráveis e abandonados, e infelizes nessa vida?
O que nos impede de vivermos em pleno êxtase e alegria pura, felizes pelo presente, e abandonados em profunda confiança e gratidão?

A resposta é simples: A mente iludida pela separação...ou aqui no nosso texto...a rolha da garrafa!!
O Todo, ou Existência, ou Deus, como quiserem chamar é sempre Um, Absoluto e Total!!
O fato de sermos "diferentes" uns dos outros, de existirem "muitas" formas, "muitos" seres, "muitos" pensamentos, "muitas" emoções....o fato da existência ser tão rica e plural, não significa que deixou de ser manifestação do mesmo Deus....reflitam sobre isso...

O mesmo Deus, Todo, Existência que lê esse texto, é o mesmo Deus, Todo, Existência que escreveu essas palavras, é o mesmo Deus, Todo, Existência que realiza, faz, pensa, canta...enfim só Deus, Todo, Existência existe...

A mente é inerente a cada ser humano, e só através da mente, podemos ir além da mente...e com isso realizarmos o ápice da criação, o ápice da existência que é conhecer quem nós somos na verdade...isto é retirar a rolha da garrafa, é sair da ilusão de que a água do oceano dentro e fora da garrafa estiveram separadas um dia...isto é alcançar o estado de não-mente...é tomar consciência de que nossa dimensão verdadeira sempre foi e sempre será o Oceano...pois só existe o Oceano...seja "dentro", seja "fora" da garrafa...

Enxergar isso é alcançar a iluminação...é perder todos os "limites", é nadar no infinito do amor, da paz e do silêncio absolutos, em profunda e total gratidão...a garrafa foi finalmente aberta... :)
Amor
Lilian


Blog:Mandalas de Paz



SOMOS TODOS UM
Somos todos Um
Somos todos um
Não há diferenças entre mim e um pedaço de chão.
Não há diferença entre o sim e o não.
Há apenas um minimo divisor comum
o número um
Não há animais e humanos
Não há farrapos e panos
Não há este e o outro lado
Não há certo e errado
Há as celulas que nos formam
Há as fibras que se transformam
Há a consciência universal
E no fundo de cada coisa,
A energia fundamental
Eu e tu somos o mesmo
e somos a mais longinqua estrela
e o vazio, e o nada
porque o nada é feito de tudo
é aquilo que agora mudo
e que, como em tudo,
é energia disfarçada.
Somos todos Um
Publicada por Luzia
em Somos Todos Um blog





Um reino é incapaz de compreender outro superior, ou seja, somos incapazes de compreender a realidade espiritual, do mesmo modo que um animal não pode compreender o ser humano, e a planta compreender o animal. Sendo dotados essencialmente de uma alma ou espírito racional, o ser humano é capaz de abranger todos os reinos abaixo, possuindo poder de desvendar as realidades físicas como na ciência, em compreensão abrangendo parte do mundo material - seu poder de desvendar também as realidades espirituais é oriunda ou exclusivamente devido ao desenvolvimento espiritual (através das virtudes), desse modo, seu não-desenvolvimento implica uma compreensão inferior do mundo espiritual mesmo neste mundo, como também após a morte; remete sempre a idéia de que todas as coisas evoluem eternamente.



***
Quando fazemos o bem ao nosso próximo e vemos que ele ficou feliz, sentimo-nos felizes também. É que somos todos irmãos, ramificações de uma mesma Vida, isto é, da Vida de Deus, que flui para dentro de nós e mantém a nossa Vida. Portanto, a alegria de fazer o bem ao próximo é a do reencontro e união das partes que, apenas na aparência, achavam-se separadas.
 Fonte: Livro A Cartilha da Vida





Deus é o oceano da vida, 

e nós somos as ondas da criação

Uma onda nasce, 

uma onda morre. 

Mas o oceano permanece.

Universos nascem, universos desaparecem. 

Mas a Fonte dos universos permanece.

Essa Fonte é o que os homens chamaram Deus.

Somos canais por onde Deus vive as suas múltiplas manifestações.

Ou seja, nós somos instrumentos da vida, não os autores.

Somos os instrumentos de cada ação e pensamento, 

mas o autor de cada ação e pensamento é Vida, Consciência ou Deus."

Somos canais por onde Deus vive, por 

Swami Sambodh Naseeb




Conhecerás a Deus sem imagem,
 sem aparência e sem meios.

 Enquanto este ele e este eu, a saber,

 Deus e a alma, não forem um único aqui,

 um único agora, o eu não poderá trabalhar

 nem identificar-se com aquele ele.

 (Mestre Eckhart)

Pergunta: Por que é que nós naturalmente parecemos
 pensar em nós mesmos como indivíduos separados?

Maharaj: Seus pensamentos sobre individualidade não são realmente seus próprios pensamentos, são todos pensamentos coletivos. Você pensa que você é a pessoa que tem os pensamentos, mas de fato os pensamentos surgem dentro da consciência. Conforme nosso conhecimento espiritual cresce, nossa identificação com um corpo-mente individual diminui, e nossa consciência expande-se na consciência universal. A força da vida continua a atuar, mas seus pensamentos e ações já não são limitados a um indivíduo. Transformam-se na manifestação total. É como a ação do vento - o vento não sopra para nenhum indivíduo em particular, mas para a manifestação total.

Q: Como um indivíduo, é possível retornar à fonte?
M: Não como um indivíduo, o conhecimento “eu sou” deve retornar à sua própria fonte. Agora, a consciência identificou-se com uma forma. Mais tarde, ela compreende que não é essa forma e segue adiante. Em alguns casos ela pode alcançar o espaço, e muito frequentemente, pára ali. Em pouquíssimos casos ela alcança sua fonte real, além de todo condicionamento.
É difícil abandonar essa inclinação de identificar o corpo como sendo o 'Ser' (Self). Eu não estou falando com um indivíduo, estou falando para a consciência. É a consciência que deve procurar sua fonte. Daquele estado de não-ser surge o sentido de existência. Ele surge tão quietamente quanto o crepúsculo, com apenas uma sensação de “eu sou” e então de repente o espaço está lá. No espaço, o movimento começa com o ar, o fogo, a água, e a terra. Todos estes cinco elementos são justamente você. De sua consciência tudo isto aconteceu. Não há nenhum indivíduo. Há somente você, o funcionamento total é você, a consciência é você. Você é a consciência, todos os títulos dos deuses são os seus nomes, mas identificado ao corpo você se entrega ao tempo e à morte - você está impondo isso a você mesmo. Eu sou o universo total. Quando eu sou o universo total não tenho necessidade de nada porque eu sou todas as coisas. Mas abarrotei eu mesmo em uma coisa pequena, um corpo; fiz de mim um fragmento e tornei-me necessitado de coisas. Eu preciso de tantas coisas sendo um corpo. Na ausência de um corpo, você existe; quando não tinha um corpo você existia? Você estava lá ou não? Alcance esse estado que é e era anterior ao corpo. Sua natureza verdadeira está aberta e livre, mas você a encobre, você dá a ela várias formatações.










"O homem é como uma garrafa cheia de água, fortemente arrolhada, lançada no meio do Oceano. Tem dentro de si a mesma 
substância de que é feito o Oceano, mas a sua mente (a rolha) o impede de tornar-se Uno com essa imensidão" Sri Ramakrisna

Essa imagem criada pela garrafa fechada, cheia de água do oceano, boiando em pleno Oceano...o que nos aponta?

O que nos faz nos sentirmos tão miseráveis e abandonados, e infelizes nessa vida?
O que nos impede de vivermos em pleno êxtase e alegria pura, felizes pelo presente, e abandonados em profunda confiança e gratidão?

A resposta é simples: A mente iludida pela separação...ou aqui no nosso texto...a rolha da garrafa!!
O Todo, ou Existência, ou Deus, como quiserem chamar é sempre Um, Absoluto e Total!!
O fato de sermos "diferentes" uns dos outros, de existirem "muitas" formas, "muitos" seres, "muitos" pensamentos, "muitas" emoções....o fato da existência ser tão rica e plural, não significa que deixou de ser manifestação do mesmo Deus....reflitam sobre isso...

O mesmo Deus, Todo, Existência que lê esse texto, é o mesmo Deus, Todo, Existência que escreveu essas palavras, é o mesmo Deus, Todo, Existência que realiza, faz, pensa, canta...enfim só Deus, Todo, Existência existe...

A mente é inerente a cada ser humano, e só através da mente, podemos ir além da mente...e com isso realizarmos o ápice da criação, o ápice da existência que é conhecer quem nós somos na verdade...isto é retirar a rolha da garrafa, é sair da ilusão de que a água do oceano dentro e fora da garrafa estiveram separadas um dia...isto é alcançar o estado de não-mente...é tomar consciência de que nossa dimensão verdadeira sempre foi e sempre será o Oceano...pois só existe o Oceano...seja "dentro", seja "fora" da garrafa...

Enxergar isso é alcançar a iluminação...é perder todos os "limites", é nadar no infinito do amor, da paz e do silêncio absolutos, em profunda e total gratidão...a garrafa foi finalmente aberta... :)
Amor
Lilian


Blog:Mandalas de Paz



SOMOS TODOS UM
Somos todos Um
Somos todos um
Não há diferenças entre mim e um pedaço de chão.
Não há diferença entre o sim e o não.
Há apenas um minimo divisor comum
o número um
Não há animais e humanos
Não há farrapos e panos
Não há este e o outro lado
Não há certo e errado
Há as celulas que nos formam
Há as fibras que se transformam
Há a consciência universal
E no fundo de cada coisa,
A energia fundamental
Eu e tu somos o mesmo
e somos a mais longinqua estrela
e o vazio, e o nada
porque o nada é feito de tudo
é aquilo que agora mudo
e que, como em tudo,
é energia disfarçada.
Somos todos Um
Publicada por Luzia
em Somos Todos Um blog





Um reino é incapaz de compreender outro superior, ou seja, somos incapazes de compreender a realidade espiritual, do mesmo modo que um animal não pode compreender o ser humano, e a planta compreender o animal. Sendo dotados essencialmente de uma alma ou espírito racional, o ser humano é capaz de abranger todos os reinos abaixo, possuindo poder de desvendar as realidades físicas como na ciência, em compreensão abrangendo parte do mundo material - seu poder de desvendar também as realidades espirituais é oriunda ou exclusivamente devido ao desenvolvimento espiritual (através das virtudes), desse modo, seu não-desenvolvimento implica uma compreensão inferior do mundo espiritual mesmo neste mundo, como também após a morte; remete sempre a idéia de que todas as coisas evoluem eternamente.



***
Quando fazemos o bem ao nosso próximo e vemos que ele ficou feliz, sentimo-nos felizes também. É que somos todos irmãos, ramificações de uma mesma Vida, isto é, da Vida de Deus, que flui para dentro de nós e mantém a nossa Vida. Portanto, a alegria de fazer o bem ao próximo é a do reencontro e união das partes que, apenas na aparência, achavam-se separadas.
 Fonte: Livro A Cartilha da Vida





Deus é o oceano da vida, 

e nós somos as ondas da criação

Uma onda nasce, 

uma onda morre. 

Mas o oceano permanece.

Universos nascem, universos desaparecem. 

Mas a Fonte dos universos permanece.

Essa Fonte é o que os homens chamaram Deus.

Somos canais por onde Deus vive as suas múltiplas manifestações.

Ou seja, nós somos instrumentos da vida, não os autores.

Somos os instrumentos de cada ação e pensamento, 

mas o autor de cada ação e pensamento é Vida, Consciência ou Deus."

Somos canais por onde Deus vive, por 

Swami Sambodh Naseeb


Postar um comentário