Semideuses

O Coração oculto do Jardineiro

Hamilton Naki 


Um jardineiro nunca pergunta por 
que há coisas velhas no jardim,
ele simplesmente faz o trabalho 
de removê-las sem se queixar.
Um jardineiro é muito simples. 
É essa simplicidade
que torna alguém digno de ser um 
bom exemplo para os outros.
Simplicidade significa não 
ir ao extremo de nada.
É quando há limpeza em tudo e não há
ciúmes dos outros em relação a TI.
Simplicidade é não desperdiçar .
Simplicidade verdadeira
Dadi Janki

Uma das mais extraordinárias histórias do 

século XX  


 
Hamilton Naki 
***************************************************************

Hamilton Naki  na Cape Town University e Hospital Groote Schuur como jardineiro, trabalhava as quadras de tênis de grama, quando, na década de 1950, o professor de cirurgia, Robert Goetz, pediu-lhe para entrar no laboratório e realizar uma girafa em que ele estava a operar. Goetz estava tentando descobrir por que as girafas não desmaiar quando eles baixaram a cabeça para beber. Ele ficou tão impressionado com Naki que o convidou para trabalhar no laboratório.

Naki logo tornou-se hábil em uma ampla gama de procedimentos cirúrgicos de Goetz, que vão desde o cateterismo e sutura para intubação e anestesia. Ele assumiu o cuidado pós-operatório dos animais. Em pouco tempo, ele poderia realizar um transplante de fígado em um porco praticamente único handed. Havia pouco que os cirurgiões poderia fazer isso ele não podia. Naki credita Goetz em ser seu professor mais importante. Goetz, que havia fugido da Alemanha nazista, pode ter empatia com a situação de Naki.

Quando Goetz foi para a América, Christiaan Barnard chegou. Barnard reconheceu as habilidades de Naki e usou-o em primeiro lugar como o seu anestesista e mais tarde como seu principal assistente cirúrgico.

Na década de 1950 Naki trabalhou com Barnard, enquanto ele estava a desenvolver técnicas cirúrgicas coração aberto experimentalmente. Ele era prodigiosamente inteligente, tinha uma memória formidável, e aprendi observando os outros. Quando Barnard desenvolveu artrite nas mãos, a contribuição de Naki se tornou ainda mais importante.

***************************************************************
 
 Várias publicações credíveis  publicaram a história do Sr. Hamilton Naki  e a 'incalculável' contribuição de seu envolvimento no primeiro transplante de coração humano. Algumas dessas publicações incluídas The Economist e o New York Times (ambos 11 de junho de 2005), e duas entrevistas com o Sr. Naki, um na seção de carreiras do British Medical Journal (BMJ Carreira Foco 2004), e um com a BBC online.


           *                                                      *
Ninguém pode construir em teu lugar 
as pontes que precisarás passar, 
para  atravessar o rio da vida 
 -  ninguém, exceto tu, só tu. 
Existem, por certo, atalhos sem números,
e pontes, e semideuses que se oferecerão 
para levar-te além do rio; 
mas isso te custaria a tua própria pessoa;
tu te hipotecarias e te perderias. 
Existe no mundo um único caminho
por onde só tu podes passar. 
Onde leva? Não perguntes, segue-o
- Nietzsche -

VIDAS QUE SE CRUZAM 

QUATRO VIDAS QUE SE CRUZAM  em 3 de dezembro de 1967, o corpo de uma jovem(Denise Darvall) foi trazido para Hamilton Naki para dissecção,sendo ela branca era-lhe duplamente proibido a ele negro,não formado em medicina e pelo regime de segregação racial do apartheid(ter contato com sangue de brancos) .O sR  Louis Washkansky e o famoso cirurgião  Christian Barnard. 



Em 3 de dezembro de 1967, o corpo de uma jovem foi trazido para Hamilton Naki para dissecção. Ela havia sido atropelada por um carro enquanto ia  comprar um bolo em uma rua na Cidade do Cabo, na África do Sul. Seus ferimentos na cabeça foram tão graves que ela havia tido morte cerebral no hospital, mas seu coração, sem ferimentos, tinha furiosamente bombeamento.
Sr. Naki não era para tocar esse corpo. A jovem mulher, Denise Darvall, era branco, e ele era negro. As regras do hospital, e de fato as leis do apartheid da terra, proibia-o de entrar em uma sala de operações branco, cortar carne branca, ou ter relações com sangue branco. Para o Sr. Naki, no entanto, o hospital Groote Schuur tinha feito uma exceção secreta. Este homem negro, com as suas mãos hábeis, firmes e mente afiada, era simplesmente muito bom no trabalho delicado, sangrenta de transplante de órgãos. O cirurgião-chefe de transplantes, o jovem, bonito, famoso temperamental Christiaan Barnard, pediu para tê-lo em sua equipe. Assim, o hospital tinha concordou, dizendo, como o Sr. Naki se lembrou: "Olha, nós estamos permitindo que você faça isso, mas você deve saber que você é negro e isso é o sangue do branco. Ninguém deve saber o que você está fazendo. "
Ninguém, na verdade, sabia. Naquele dia, dezembro, em uma parte do conjunto de operação, Barnard em uma explosão de publicidade preparado Louis Washkansky, o primeiro destinatário do mundo de um coração humano transplantado. Quinze metros de distância, atrás de um painel de vidro, com as mãos pretas qualificados do Sr. Naki arrancou o coração branco do cadáver branco e, durante horas, metralhado todos os vestígios de sangue dela, substituindo-o de Washkansky. O coração, bombeando definir novamente com eletrodos, foi passado para o outro lado da tela, eo Sr. Barnard tornou-se, durante a noite, o médico mais famoso do mundo.
Em algumas das fotografias pós-operação Sr. Naki apareceu inadvertidamente, com um largo sorriso em seu casaco branco, ao lado de Barnard. Ele era um produto de limpeza, o hospital explicou, ou um jardineiro. Os registros hospitalares listados lo dessa forma, apesar de seu salário, algumas centenas de dólares por mês, era realmente a de um técnico de laboratório sênior. 
Era mãximo que poderiam pagar,â  funcionários explicou mais tarde, para alguém que não tinha diploma.


  • O respeito do Dr.Christian Barnard por Hamilton Naki,
  • possibilitou à humanidade novos caminhos...                                        
  • ...trilhando juntos,almejando salvar vidas humanas.
  • Obtendo exito brilhantemente.
  • Meu respeito a ambos,em meio a irracionalidade do apartheid , 
  • mantiveram-se irmanados em um ideal

  • E isto é valorosamente um legado,legado a humanidade a dizer  
  • NÃO ao racismo. 
  • Nadja Feitosa
  • ***************************************************************************************
Nunca houve qualquer dúvida de diplomas. 
Sr. Naki, nascido na aldeia de Ngcangane na ventosa Cabo Oriental, tinha sido retirado da escola aos 14 anos, quando sua família já não podia pagar. 

ROUBOS COM OS OLHOS

O laboratório foi movimentada, com operações de transplante constantes em porcos e cães para treinar médicos, eventualmente, para o trabalho em seres humanos. Sr. Naki nunca aprendeu as técnicas formalmente; como ele disse, "Eu roubei com os meus olhos."Mas ele se tornou um especialista em transplantes de fígado, muito mais complicado do que transplantes de coração, e logo estava ensinando os outros. Mais de 40 anos, ele instruiu vários milhares de cirurgiões em treinamento, vários dos quais movidos a se tornar chefes de departamentos. 
Dr. Barnard começou a reconhecer o trabalho do Sr. Naki somente após o fim do apartheid, em 1991. Em uma entrevista pouco antes de sua morte em 2001, ele chamou o Sr. Naki "um dos grandes pesquisadores de todos os tempos na área de transplantes de coração. "
"Se Hamilton tivesse tido a oportunidade de se apresentar, ele teria provavelmente se tornar um cirurgião brilhante", 
o Dr. Barnard disse à Associated Press em 1993
 O Sr. Naki continuou a trabalhar na Faculdade de Medicina até 1991, quando se aposentou.
Ele explorou seus contatos médicos para angariar fundos para uma escola rural e uma clínica móvel, no Cabo Oriental, mas nunca pensou em dinheiro para si próprio. Como resultado, ele poderia pagar por apenas um de seus cinco filhos para ficar até o fim do ensino médio.
 A premiação
Reconhecimento, com a Ordem Nacional de Mapungubwe e um grau honorário em medicina pela Universidade de Cape Town, só veio alguns anos antes de sua morte, e muito tempo depois do retorno de África do Sul reconhecer os direitos de igualdade racial.

"Eu gostaria que a Geração Mais Jovem  pudesse  encontrar Inspiração no Meu Trabalho. Nosso País Precisa de Mais Médicos, sobretudo a Partir dos desfavorecidos da Comunidade .

Olhem para  MIM - PODE Acontecer! "- Naki



Em entrevista ao The Guardian de Londres, em 2003, o Sr. Naki expressa pouco amargura sobre sua vida passou a trabalhar nas sombras. "Eu era chamado de um dos meninos de bastidores", disse ele. "Eles colocaram as pessoas brancas na frente. 



Se as pessoas publicassem fotos minhas, eles teriam ido para a cadeia."
 Amargura não estava em sua natureza, e ele teve anos de treinamento para aceitar a sua vida com o apartheid  . Naquele dia de dezembro, em 1967, por exemplo, como Barnard foi palco de imprensa adorando o mundo, o Sr. Naki, como de costume, pegou o ônibus para casa. Greves, motins e bloqueios de estradas, muitas vezes adiada que naqueles dias. Quando chegou, ela o levou em seu traje cuidadosamente pressionado, com o seu bem-sapatos engraxados a seu barraco de um cômodo no município de Langa.Mas ele sempre compra um jornal diário; e lá, no dia seguinte, ele podia ler em manchetes de que ele tinha feito, em segredo, com as mãos pretas, com um coração branco.
 Barnard sofria de artrite reumatóide e se aposentou em 1983, dezesseis anos após o seu famoso transplante. Barnard era adversário do apartheid e admirava Sr.Naki, seu fiel e tenaz colaborador. Morreu na ilha de Cyprus, em setembro de 2001, com os mesmos 78 anos vividos pelo Sr. Naki. Em 1993 admitira em entrevista que " se dada oportunidade" o Sr Naki poderia ter sido "melhor cirurgião do que eu". Sabemos que durante uma cirurgia complexa há necessidade de um harmonioso trabalho de equipe. Durante o regime do apartheid qualquer ajuda de um negro, sem educação formal, a um homem branco seria um eterno segredo. Não há dúvida da ajuda prestada pelo Sr. Naki a Barnard, porém a natureza desta ajuda é desconhecida. O estagio e as limitações impostas pela grave doença reumatológica de Barnard também são desconhecidas. Ao terminar este novo texto lamento triplamente. É triste que as sombras do racismo façam com que negros e brancos contem a mesma narrativa de modo tão distinto, cada um suspeitando dos motivos do outro. É triste que um homem considerado, por negros e brancos, tão maravilhoso como o Sr. Naki tenha sido tema de discussão, dando-se mais importância ao que ele não foi.Finalmente a morte do Sr. Naki me trás à lembrança da busca por um mundo melhor, tão bem representada na musica Imagine de John Lennon. Minhas preces à alma do jardineiro Hamilton Naki, que deixou as flores do hospital, os animais do laboratório e passou a freqüentar, para sempre, o debate entre portadores de diplomas. Luis Fernando Veríssimo no O Globo, escreveu que o tempo geralmente destrói os mitos, mas a história às vezes os salva. Salve a estória vivida ou talvez sonhada por Hamilton Naki, este simples grande homem negro. Um herói com certeza, mas quem sabe um dia será um mito, nem que seja em nossos sonhos.FONTE: Brasil Medicina
 Alfredo Guarischi é Presidente da Comissão de Câncer do Colégio Brasileiro de Cirurgiões.

"Eu gostaria que a Geração Mais Jovem  pudesse  encontrar Inspiração no Meu Trabalho. Nosso País Precisa de Mais Médicos, sobretudo a Partir dos desfavorecidos da Comunidade .
Olhem para  MIM - PODE Acontecer! "- Naki

Se é para transformar, começa contigo mesmo.
Se é para falar, que seja para bendizer...
Se é para sentir, por favor, que seja com a alma...
E ao te expressares, atenta para que tua verdade tenha como base o respeito, a generosa oferta de mãos perfumadas de desapegos...não precisamos mais de palavras vazias, o mundo está corroído delas...
Precisamos de contato, de irmãos. Se é para viver, que seja em união...
Se é para nos aproximarmos de alguém...que seja sem máscara, que seja de cara, e ego lavados...
E de mãos postas, reverentemente, te curva...porque se for para ser amado, que seja em graça...
Porque se o amor acontece...
É porque Deus desce, e caminha na mesma estrada conosco. "
Gi Stadnicki









Fonte: The EconEm 2008,  foi lançado o filme HIDDEN HEART:Hamilton Naki and Christiaan Barnard-  A verdadeira história do primeiro transplante de coração. Direção de Cristina Karrer e Werner Schweizer. (www.hidden-heart.com)omist
Fontes:wikipedia/internet/revistas de época
Referências British Medical Journal: Obituário de Hamilton Naki, Obituary é historicamente imprecisa.
O economista, publicação impressa em julho de 2005, intitulado: Como uma vida inspiradora tornou-se distorcida pela política
Postar um comentário