Agostinho de Hipona



Basta olhar para as coisas para ouvi-las dizer isso.
 Tu, Senhor, fizeste essas coisas. 
Porque és belo, elas são belas;
 porque és bom, são boas; porque tu és, elas são.

Os homens viajam para se maravilharem com
a altura das montanhas as ondas imensas do mares,
  longos cursos dos rios vasto âmbito do oceano,do movimento circular das estrelas e passam por si mesmos sem se maravilhar.
Santo Agostinho (354-430), em “Confissões”





“O homem que se espanta é ele mesmo grande maravilha”

Estreita é a casa de minha alma 
para que venhas até ela:
 que seja por ti dilatada. 

Está em ruínas; restaura-a. 

Há nela nódoas que ofendem o teu olhar:
 confesso-o, 

pois eu o sei; porém, quem haverá de purificá-la? 

A quem clamarei senão a ti? 
Livra-me, Senhor, dos pecados ocultos, e perdoa a teu servo os alheios!
Creio, e por isso falo. Tu o sabes, Senhor.
Acaso não confessei diante de ti meus delitos contra mim, ó meu Deus? 
E não me perdoaste a impiedade de meu coração? 
Não quero contender em juízos contigo, que és a verdade, 
e não quero enganar-me a mim mesmo, para que não se engane a si mesma minha iniqüidade.

Não quero contender em juízos contigo, porque, se dás atenção às iniqüidades,
 Senhor, quem, Senhor, subsistirá?


(Confissões, Agostinho de Hipona, capítulo V)



Santo Agostinho



Ama e faz o que quiseres. 
Se calares, calarás com amor; 
se gritares, gritarás com amor; 
se corrigires, corrigirás com amor; 
se perdoares, perdoarás com amor. 
Se tiveres o amor enraizado em ti, 
nada senão o amor serão os teus frutos.
Santo Agostinho



O Amor é o peso da alma, sua lei da gravidade, 
aquilo que leva o movimento
da alma ao repouso”
Sto Agostinho



Há pessoas que desejam saber só por saber, e isso é curiosidade; outras, para alcançarem fama, e isso é vaidade; outras, para enriquecerem com a sua ciência, e isso é um negócio torpe; outras, para serem edificadas, e isso é prudência; outras, para edificarem os outros, e isso é caridade"
Santo Agostinho


Quem me dera descansar em ti! 
Quem me dera que viesses a meu coração e que o embriagasses, 
para que eu me esqueça de minhas maldades
 e me abrace contigo, meu único bem! 
Que és para mim? 
Tem piedade de mim, para que eu possa falar. 
E que sou eu para ti, 
para que me ordenes amar-te e, se não o fizer,
 irar-te contra mim, ameaçando-me com terríveis castigos? 
Acaso é pequeno o castigo de não te amar? 
Ai de mim! 
Dize-me por tuas misericórdias, meu Senhor e meu Deus, que és para mim? 
Dize a minha alma: Eu sou a tua salvação.
Que eu ouça e siga essa voz e te alcance. 
Não queiras esconder-me teu rosto.
 Morra eu para que possa vê-lo para não morrer eternamente.






Aquele que era Deus fez-se homem, 

assumindo o que não era, 

sem perder o que era; 

e assim Deus fez-se homem. 

Neste mistério encontras o socorro 
para a tua debilidade e encontras 
nEle aquilo de que necessitas 
para alcançar a tua perfeição. 

Cristo te eleve em virtude da sua humanidade; 
te guie em virtude da sua humana divindade, 
e te conduza à sua divindade.
(Comentário ao Evangelho de João 23 6)

Santo Agostinho




A morte não é nada. 
Eu somente passei 
para o outro lado do Caminho.

Eu sou eu, vocês são vocês.
O que eu era para vocês, 
eu continuarei sendo.

Me dêem o nome 
que vocês sempre me deram, 
falem comigo 
como vocês sempre fizeram.

Vocês continuam vivendo 
no mundo das criaturas, 
eu estou vivendo 
no mundo do Criador.

Não utilizem um tom solene 
ou triste, continuem a rir 
daquilo que nos fazia rir juntos.

Rezem, sorriam, pensem em mim.
Rezem por mim.

Que meu nome seja pronunciado
como sempre foi, 
sem ênfase de nenhum tipo.
Sem nenhum traço de sombra
ou tristeza.

A vida significa tudo 
o que ela sempre significou, 
o fio não foi cortado.
Porque eu estaria fora 
de seus pensamentos,
agora que estou apenas fora 
de suas vistas?

Eu não estou longe, 
apenas estou 
do outro lado do Caminho...

Você que aí ficou, siga em frente,
a vida continua, linda e bela
como sempre foi.
Santo Agostinho




Então será a alegria plena 

e perfeita, a felicidade 

perpétua;

quando já não tivermos 

por alimento o leite 

da esperança,
mas o alimento sólido 
da realidade.

Também agora, antes 
de chegarmos
a essa Ventura 
ou antes
que essa Ventura 
chegue a nós,
alegremo-nos 
no Senhor
porque 
não é pequena 
a alegria
da esperança 
que nos garante
a futura realidade.
(Sermão 21.3)
Santo Agostinho

À minha mesa vos convido.
Nela ninguém morre,
nela está a vida
verdadeiramente feliz,
nela o alimento
não se corrompe,
mas refaz e não se acaba.

Eis para onde vos convido,
para a morada dos anjos,
para a amizade do Pai
e do Espírito Santo,
para a ceia eterna,
para a fraternidade comigo;
enfim, a mim mesmo,
à minha vida eu vos conclamo!
Não quereis crer
que vos darei a minha vida?
Retende, como penhor a minha morte.
Santo Agostinho


É impróprio afirmar que os tempos são três:
 pretérito, presente e futuro.
 Mas talvez fosse próprio dizer que os tempos são três:
 presente das coisas passadas, presente das presentes, presente das futuras. Existem, pois, estes três tempos na minha mente que não vejo em outra parte: lembrança presente das coisas passadas,
 visão presente das coisas presentes e esperança presente das coisas futuras.
Santo Agostinho




Diante de Deus, está sempre a descoberto o abismo da consciência humana: que poderia haver de oculto em mim para Deus, por mais que eu não quisesse dizer a verdade? Conseguiria apenas ocultar Deus aos meus olhos, mas não poderia ocultar-me dos seus”. 

Santo Agostinho



Agostinho de Hipona,
 conhecido como Santo Agostinho (354-430),
foi um filósofo, escritor, bispo e teólogo cristão africano, 
responsável pela elaboração do pensamento cristão.
Deixou uma obra literária gigantesca,
 foram 113 trabalhos, 224 cartas e mais quinhentos sermões
Postar um comentário