Poesia da Existencia




Poesia da Existência...


"O que está errado com o poeta? Há algo errado com o poeta aos olhos do filósofo - porque o poeta é ilógico, e o poeta permanece em estado de inocência e o poeta confia no mistério da vida, e também não tenta saber, o poeta vive esse mistério da vida. Ele não está preocupado com o porquê dela, ele não se preocupa em analisá-la em dissecá-la.

Quando se encontra uma flor ele a desfruta. Ele a ama. Fala com a flor, comunica, dança ao redor dela, celebra-a. Mas não se preocupa em saber porque essa flor está aí. O porque nunca ocorre ao poeta. Ele aceita as coisas como são- não entra no seu passado, não busca a causa original e não se preocupa com o fim último. Esse momento é tudo para o poeta; ele é absorvido no aqui e no agora.

A religião é a forma máxima de poesia, a forma essencial de poesia. Assim eu digo a vocês é preciso compreender o Ahh!!! das coisas e então tudo é compreendido; lembrem-se compreendido não é conhecimento. Conhecimento é objetivo, compreensão é subjetivo.

Você compreende quando ama. (...)
O poeta compreende, o místico, o religioso compreendem, eles não sabem. E a compreensão só é possível quando você participa - quando não fica de fora, mas quando mergulha.
Compreender uma flor significa se tornar flor, compreender uma mulher, significa se tornar aquela mulher; compreender um homem significa interagir tão totalmente com aquele homem que todos os limites são fundidos, que seus seres começam a se sobrepor um ao outro, que chega um momento de encontro em que é muito difícil dizer quem é quem.

Quando dois seres pulsam em tal uníssono, é quase como se fossem um - quando as batidas de seus corações estão no mesmo ritmo, quando respiram como se houvesse apenas uma alma, talvez dois corpos, mas uma alma - quando a participação for tão total, só então você conhece.

Se você puder fundir-se com a existência, então você é religioso. Esse fundir-se eu chamo de oração. Quando alguém se fundiu tão profundamente com a existência, que não fica diante dela como aquele que conhece, separado do conhecido, mas quando aquele que conhece e o conhecido tornaram-se um- naquele momento são revelados os segredos. Entretanto os mistérios não são destruídos, os mistérios são aprofundados mais e mais.

Lembre-se sempre que, se os mistérios da sua vida continuarem a se aprofundar, você está na trilha certa. Se começar sentindo que não há nenhum mistério na vida e você se torna instruído, está no caminho errado.
Seja tanto quanto possível um poeta - porque o místico é o crescimento do poeta. O poeta está a caminho de ser um místico e só um poeta pode ser um místico.(...)

A poesia significa unidade, o conhecimento significa divisão. A poesia significa fazer pontes e conhecimento significa romper pontes.
Se o homem moderno parece tão triste, vazio, a razão é que a filosofia teve sucesso - a razão é que a filosofia liberou muito conhecimento. E as universidades continuam a encher suas cabeças com conhecimento.(...)
A poesia está muito perto do silêncio, porque ela diz e, no entanto, não diz. Esta é a definição de poesia : ela diz e não diz. Usa as palavras de tal modo que o silêncio não é perturbado.
Usa sons de um modo hábil que o silêncio é aumentado, não destruido.(...)

Mergulhe dentro de si mesmo e tocará aquele âmago de maravilhar-se que ainda está lá.
Você ainda é uma criança, e as vezes essa criança vem à tona. Em momentos de amor, em momentos de alegria, às vezes escutando música ou vendo um por do sol, a criança aparece -e novamente você está correndo atrás de borboletas e novamente seus olhos tem brilho e novamente seu coração está batendo em um ritmo novo. Isso acontece de vez em quando com todo mundo.
A pessoa religiosa faz disso sua própria vida. A pessoa religiosa é aquela que faz disso seu próprio estilo; ela vive em maravilha, ela respira em maravilha, ela caminha em maravilha. Tudo cria maravilha nela - um seixo ou uma folha seca é tão maravilhosa quanto qualquer coisa. Se você tem os olhos para maravilhar-se então o milagre encontra-se em todos os lugares; está espalhado por todo lado.
A existência é feita de um material chamado milagre.
É milagrosa, de uma extremidade a outra - você apenas precisa ter olhos que ainda sejam capazes de maravilhar-se. Os olhos que ainda são capazes de se maravilhar, são jovens e os olhos que não são mais capazes de maravilhar-se são cegos, velhos e mortos.

Limpe a poeira dos seus olhos. Por poeira quero dizer conhecimento. Se você puder aprender só uma coisa aqui comigo, se você puder aprender a maravilhar-se, você aprendeu tudo. Se puder tornar-se inocente novamente, como era em sua infância, você está muito perto de Deus.
Osho em A Revolução, conversa sobre Kabir
Postar um comentário