Poder Celestial



"O amor é o único meio de assegurar a verdadeira felicidade,
tanto neste mundo como no vindouro. 
O amor é a luz que guia nas trevas, 
o elo vivo que une Deus ao homem, 
que torna certo o progresso 
de cada alma iluminada. 
O amor é a maior lei que governa 
este ciclo poderoso e celestial, 
o poder sem igual 
que liga os diversos elementos 
deste mundo material..."
'Abdu'l-Baháns



Sobre o Amor - Jiddu Krishnamurti



"Sabemos pouco do amor, da sua extraordinária ternura e poder.


Muito facilmente usamos a palavra "amor"; o militar usa-a, o carniceiro usa-a, o homem rico usa-a, assim como o rapaz e a moça.

Mas sabemos pouco do amor, da sua vastidão, da sua imortalidade,
da sua profundidade.

Amar é ter consciência da eternidade.

O relacionamento é uma coisa estranha; muito facilmente caímos na habituação a um relacionamento particular, onde as coisas são tomadas como garantidas, com a situação aceite, não se tolerando qualquer variação; não se considera nenhum movimento em direção à incerteza, mesmo por um segundo.

Tudo é de tal modo regulado, tornado «seguro», bem amarrado, que não há qualquer hipótese de frescura, de um respirar revivificador.

A isto, e a muito mais, se chama relacionamento. Se observarmos de muito perto, verificamos que o verdadeiro relacionamento é muito mais subtil, mais rápido que um relâmpago, mais vasto do que a Terra, pois ele é vida. A vida é conflito.

Queremos fazer do relacionamento uma coisa grosseira, rígida, manipulável. Deste modo, ele perde a sua fragrância, a sua beleza.
Isto surge porque não amamos, e o amor é certamente a maior das coisas, pois nele acontece o completo abandono de nós mesmos.(...)

É preciso grande inteligência para um homem e uma mulher se esquecerem de si mesmos, para poderem viver juntos, não se rendendo um ao outro ou não sendo dominados um pelo outro.
O relacionamento é a coisa mais difícil da vida.(...)

Não sei, mas o amor incendeia-me. É uma chama inextinguível. Tenho tanto disso, que quero dá-lo a todos, e dou.

É como um grande rio, que alimenta e rega cada vila e aldeia; ele vai sendo poluído, deságua nele a porcaria do ser humano, mas depressa as águas se purificam a si próprias, e rapidamente segue em frente.
Nada pode estragar o amor, pois todas as coisas se dissolvem nele - o bom e o mau, o feio e o belo.

O amor é algo que é a sua própria eternidade.

O amor é um coisa "perigosa", só ele traz a única revolução que proporciona felicidade.São poucos os que são capazes de amar, e tão poucos os que realmente querem o amor.

Amamos segundo as nossas próprias condições, fazendo do amor um coisa de mercado. Temos mentalidade mercantil, mas o amor não é comercializável nem é um negócio de troca.

O amor é um estado de ser, no qual todos os problemas humanos se resolvem. Vamos ao poço com um dedal e assim a vida torna-se uma coisa sem qualidade, insignificante e limitada."

Jiddu Krishnamurti - em    Cartas a uma jovem amiga
     


A plenitude do SER


O que é esse amor que chega de mansinho e me completa? De onde ele vem? Porque ele começa? Como posso expandi-lo e manter-me conectado o tempo todo? Que amor é esse que reprime meus medos, liquida com minha ansiedade, acaba com as dúvidas e manda para longe o sofrimento? Será que ele também completa o outro?

É um amor que independe de coisas externas, é fora do normal pois é espiritual, vem de dentro, sem direção, é irradiado pelo espírito. É um amor que quando vem com força torna-me um nectar a ser saboreado, não é fácil descreve-lo, é como um suave perfume que atrai e hipnotiza, torna-me leve e sabio, aquece meu corpo, tranquiliza-me, amplia e expande minha consciência, deixa-me silencioso e harmônico por dentro, conectado a cada fragmento vivo do universo, um verdadeiro observador consciente que quando olha para as coisas modifica-as, deixando-as mais belas, mais vivas e mais brilhosas.

É um amor das estrelas, a energia que movimenta os planetas, as núvens e as ondas do mar, nele tudo o que é mundano dissolve-se. Será que este é o êxtase que os grandes sábios falavam? Será que esta é a plenitude que todos nascemos desejosos de sentir e buscamos a vida toda? Achar as respostas não importa, importante é senti-lo e saber que nunca nos abandonou, sempre esteve conosco a nossa espera.

Ugo Micael Ventura
"O amor é o único meio de assegurar a verdadeira felicidade,

***

“Num deserto de almas também desertas,

 uma alma especial reconhece 

 de imediato a outra.”


                                                                                                                                                          

- Natural é as pessoas 
se encontrarem e se perderem.

- Natural é encontrar. Natural é perder.

- Linhas paralelas se encontram no infinito.

- O infinito não acaba. O infinito é nunca.

- Ou sempre. "
Caio Fernando

***

Parábola sobre o Amor

Havia um homem. Certa vez ele ouviu dizer que Deus é Amor e decidiu procurar esse amor. Começou a ouvir o que as pessoas diziam sobre isso.
Ouviu o seguinte:
“Eu amo a carne!”, disse um. Em seguida, foi e matou um cordeiro, assou-o e o comeu.
“E eu amo a caça! Posso acertar em qualquer ave em pleno vôo! Posso encontrar qualquer fera escondida na floresta densa, matá-la e tirar sua pele!”, disse outro.
“Que sorte, porque eu amo me vestir com peles”, disse uma jovem.
“E eu amo as flores!”, acrescentou outra; ela costumava colocar diversos ramalhetes de flores nos jarros e contemplar sua morte enquanto elas murchavam.
Que pena que as flores sem raízes tenham se convertido em um símbolo de amor e de beleza!
Outro homem disse:
“Eu amo tanto a minha mulher e minha paixão por ela é tão forte que a mataria se de repente ela me traísse com outro!”
Um militar acrescentou:
“Eu amo a glória mais que a todas as mulheres! Por um momento de glória, estou disposto a dar tudo!” E ele procura inimigos para enviar seu exército para a morte. Por uns momentos de glória, está disposto a perder vidas humanas.
Um imperador disse:
“Eu amo o poder! Eu dito as leis para o meu país! Todos têm que satisfazer meus desejos! E que tudo seja segundo minha vontade! Eu executo e eu perdoo! Eu inicio a guerra e eu estabeleço a paz!”
Ademais, o homem ouviu:
“Nós amamos a Deus! Por nossa fé estamos dispostos a morrer! Por nossa fé estamos dispostos a matar!”
* * *
O homem se horrorizou por tudo o que ouviu e exclamou: “Isto não pode ser amor!”
E as montanhas ressoaram: “Isto não é o amor!”
E exclamaram as aves: “Isto não é o amor!”
E as folhas sussurravam: “Isto não é o amor!”
E soaram os rios: “Isto não é o amor!”
E o oceano retumbou: “O que alguém quer para si e derrama o sangue do seu semelhante, não é o amor!”
Então, o homem foi para outro lugar.
* * *
Chegou a um país e viu ali um menino bondoso. Perguntou a ele: “O que amas?”
“Amo a minha mãe e a meu pai! Amo esta clareira no bosque cheio de flores! Amo também este rio e estas árvores! Amo cantar e dançar, trabalhar e jogar! Todos se alegram com meu amor! E todos me amam!”
O homem continuou seu caminho e viu um jovem enamorado, a quem também perguntou sobre o amor. Em resposta, o enamorado repetiu as palavras que uma vez disse a sua amada: “Seja feliz, meu amor! Ainda que fiques com outro, te repito: Seja feliz! Que saibas que me alegro por ti!”
O homem caminhou mais e viu um belo jardim, como se a terra mesma houvesse florescido! Viu um campo de trigo e o que havia cultivado isto. E perguntou-lhe:
“O que amas?”
“Amo esta terra! Faço jardins, cultivo trigo e flores 
e eles me dão seus frutos, sua beleza e seu aroma. 
Aquele que fez um belo jardim e a todos 
deu seu amor comerá frutos maravilhosos!”
O homem continuou sua viajem pelo país 
onde reinavam a ordem e a paz e viu prosperidade 
e abundância na vida daquele povo.
Finalmente, chegou ao governante daquele país 
e perguntou que era que ele amava?
O sábio governante lhe respondeu:
“Amo a meu país e a todos seus habitantes! 
Estou disposto inclusive a sofrer humilhações 
para prevenir a guerra e afiançar a paz para meu povo!”
O homem continuou seu caminho. Escutava e observava.
E um dia se encontrou com o Mestre da Alma 
que amava a Deus com todo seu coração.
Então, lhe perguntou:
“Diz-me, como Deus ama? 
Como é Seu Amor? 
Como conhecê-lo e como distinguir o que é o amor e o que não é?”
O Mestre respondeu:
No amor não pode haver nenhum desejo para si! 
Todo aquele que possuir tal desejo não é amor, 
e sim, a paixão e os caprichos! 
O amor é o fundamento do universo! 
E também é a luz da alma!
Me perguntas como Deus ama?
A água flui e dá de beber a todos! Assim ama Deus!
A Terra cuida e sustenta a todas as criaturas! Assim ama Deus!
O sol brilha e ilumina tudo com sua luz! Assim ama Deus!
Tu também deves tratar de amar e sempre expressar tua ternura aos demais!
Se cultivas o amor dentro de ti, um dia poderás experimentar e ver Deus!”

Postar um comentário