Vincent van Gogh

Blog 1853

"ANDEI POR ESTA TERRA DURANTE TRINTA ANOS E, POR GRATIDÃO, QUERO DEIXAR ALGUMA LEMBRANÇA










Penso e repenso sobre Van Gogh

A sensibilidade e a utopia do artista e uma invulgar forma de sentir, olhar e viver.

Talvez, sua vazão pela arte tenha vindo através da busca por Deus.
O fato de não conseguir ser aceito como pastor, transformou a busca intensa, através de sua arte; que transmite com paixão que Deus e a natureza são um.

É maravilhoso o que os historiadores,biógrafos vêm conseguindo fazer colocando uma infinidade informações, tanto em ordem cronológica quanto em blocos temáticos, e agora começamos entender e a configurar a vida bastante complexa dos vários dramas, obsessões, ideais,perdas, em suma, a biografia de Vicent Van Gogh e a intensa amizade com o irmão Theo no final do sec.XIX.

A relação de Vincent e Theo, a depressão de Van Gogh,o desconhecimento em como tratar a doença e o nascimento de um gênero de pintura,o Expressionismo.

Com este irmão, estabeleceu uma forte relação de amizade. Através das cartas que trocou com com o irmão, os pesquisadores conseguiram resgatar muitos aspectos da vida e do trabalho deste magnifico  pintor.
Desde que as cartas de Vincent van Gogh tornaram-se conhecidas com a sua primeira publicação de quase um século atrás, têm atraído o interesse e admiração que merecem. Foram rapidamente entendidas como uma rica fonte de informações sobre a história de vida emocionante de Van Gogh e um trabalho excepcional, e havia amplo reconhecimento das qualidades intrínsecas de sua escrita:o tom pessoal, estilo e linguagem evocativa. A combinação destes fatores levou algumas pessoas que estavam em posição de saber a conceder o status de literatura da correspondência. O poeta WH Auden, que publicou uma antologia com uma breve introdução, escreveu"não há praticamente uma carta de Van Gogh que eu, que certamente nao sou nenhum perito, não acho fascinante.
Jan Hulsker, durante décadas, uma autoridade sobre a correspondência de Van Gogh, sem reservas, colocou as cartas sobre o nível da literatura mundial: "Vincent foi capaz de expressar-se esplendidamente, e é esta escrita notável talento que tem garantido as letras a sua duração coloque na literatura mundial, muito para além da sua importância para o estudo da sua vida e obra. ... Em muitas cartas suas emoções e crenças são expressas tão fortemente e de forma convincente que um escritor "real" dificilmente poderia ter melhorado em cima deles
"Naturalmente, qualificações como esta são, em parte, pessoal, mas se, de acordo com a essência da literatura, compreende-se que ela expressa a geralmente válida até o específico, a condition humaine, então não pode ser negado que as cartas de Van Gogh são de fato altamente literário.

O amor é eterno - a sua manifestação pode modificar-se, mas nunca a sua essência... através do amor vemos as coisas com mais tranquilidade, e somente com essa tranquilidade um trabalho pode ser bem sucedido. 
Vincent Van Gogh
Flowerbeds in Holland, April 1883

Vincent Van Gogh
Vincent van Gogh Holland Flower Bed Poster Premium Poster

Camas de flor na Holanda 

1883 

"...As cores se sucedem como que sozinhas e ao tomar uma cor como ponto de partida me vem claramente a cabeça o que deduzir, e como chegar a dar-lhe vida. Não posso entender, por isso, a grosso modo, que um pintor faz bem quando parte das cores de sua palheta em vez de partir das cores da natureza. Interessa-me menos que minha cor seja precisamente idêntica, ao pé da letra, a partir do momento em que minha tela ela fique tão bela quanto na vida. A cor, por si só, exprime alguma coisa, não se pode prescidir disso, é preciso tomar partido. O que produz beleza, beleza verdadeira, também é verdadeiro e isso realmente é pintura e é mais belo que a imitação exata das próprias coisas."

 Vicent Van Gogh

Quando os olhos vêem o que ninguém mais vê

Imagens aparecem mesmo sem querer


Quando cada sonho se torna real


E tudo que acontecem é sempre um aviso, um sinal

Se um dom especial é dado prá alguém


É prá ajudar o bem na luta contra o mal

É como a luz do sol que toca um cristal


E em sete cores mostra assim


Que tudo é natural


É como o som do mar que vem nos alcançar


Prá nos mostrar o amor

O amor que existe além do olhar

Longe da razão o fogo da paixão


Arde o universo, queima meu coração


Passado ou futuro junto com você


Eu te sinto em todo o mundo


E nas estrelas posso ver

Se um dom especial é dado prá alguém


É prá ajudar o bem na luta contra o mal

É como a luz do sol que toca um cristal


E em sete cores mostra assim


Que tudo é natural


É como o som do mar que vem nos alcançar


Prá nos mostrar o amor

O amor que existe além do olhar


alem do olhar -ivo pessoa





File:VanGogh-View of Arles with Irises.jpg



View of Arles with Irises, 1888, Van Gogh Museum, Amsterdam



Pomar com florescência de árvores de ameixa 

1888




Resultado de imagem para imagens pomar com florescencia ameixas vangogh


O pintor holandês foi influenciado por Hals, Rembrandt, Seurat e pelo japonismo. Primogênito de uma família tradicional de origem calvinista, acabou por suicidar-se (teoria já posta em duvida na atualidade). Em sua busca por estabelecer-se na sociedade passou por diversas profissões: de pastor radical, fiel aos princípios da Bíblia, a pintor da natureza, amante do cachimbo, do absinto. .. Van Gogh assimilava em sua técnica as questões estéticas dos movimentos artísticos que surgiram no período, adaptando-os ao seu estilo. Suas investigações artísticas resultaram em uma imensa obra que influenciou de forma profunda a arte do século XX.
Sempre pretendeu estabelecer relações pessoais duradouras com a família, amigos, com pessoas em seu meio. Porém, apenas seu irmão Théo se manteve do seu lado ao longo de sua vida conturbada. De sua grande produção epistolar (cerca de 800 cartas), a primeira e a última foram destinadas ao irmão. Com ele mantinha uma relação intensa - com desentendimentos, apoio mútuo, grande intimidade. Muito mais que irmãos, Vincent e Théo eram complementares.Ao longo da vida, Vincent van Gogh escreveu mais de 750 cartas ao irmão, Theodore, quatro anos mais novo, mas por quem foi sustentado durante longos períodos. Nesses escritos, discorre longamente sobre seu processo criativo, sobre seu relacionamento com o irmão e amigos e sobre o avanço progressivo da dita insanidade. A extensa e emocionada correspondência seria mais tarde reunida em livro.






Trechos de cartas de Vincent Van Gogh a seu irmão Théo


Desde el momento que nos esforçamos por viver sinceramente, tudo  foi muto bem aún si hemos de sufrir inevitablemente sinceros pesares y verdaderas desilusiones; probablemente cometeremos también graves faltas y malas acciones, pero es cierto que más vale tener espíritu ardiente, aún si se han de cometer faltas, que ser mezquino y demasiado prudente.

Es bueno amar todo lo posible, pues en eso reside la verdadera fuerza, y el que ama mucho realiza grandes cosas y es capaz de realizarse, y lo que se hace por amor está bien hecho; si se siente uno impresionado por uno que otro libro, por ejemplo, tomándolos al azar, La golondrina, La alondra, El ruiseñor, Las aspiraciones del otoño, Veo desde aquí una dama, Me gusta esa pequeña ciudad singular, de Michelet, es porque esos libros han sido escritos con el corazón, en la simplicidad y pobreza de espíritu. Si se pronunciaran solamente unas cuentas palabras, que tuvieran un sentido, se haría mejor que pronunciar muchas que sólo fueran sonidos huecos y que podrían pronunciarse con tanta mayor facilidad cuanta escasa utilidad tuvieran.

Si se sigue amando sinceramente lo que es, de verdad, digno de amor, y si no se derrocha el amor en cosas insignificantes, y nulas, e insípidas, se logrará poco a poco más luz y uno se hará más fuerte’…


"Sou um homem de paixões, capaz de fazer coisas mais ou menos tolas, e delas dependente, e das quais mais ou menos me arrependo depois... deverei considerar-me um homem perigoso, incapaz de qualquer coisa?
... minha única preocupação é: como posso ser útil no mundo? Não poderei servir a algum propósito e ser de alguma utilidade?
E então sente-se um vazio onde deveria haver amizade e afeições sérias e fortes, e um desânimo terrível que corrói a propria energia moral, e o destino parece colocar uma barreira aos instintos de afeição, e uma sufocante onde de nojo nos envolve. Por quanto tempo, meu Deus?"

An intense woman with black hair, elbow rests on a table of books and stares to the left.
L'Arlesienne: Madame Ginoux with Books, November 1888. The Metropolitan Museum of Art, New York, New York (F488).
A white-bearded man in a broad yellow hat gazes to the right.
Patience Escalier, second version August 1888, Private collection (F444)
An open faced, well dressed, young woman with reddish-blond hair gazes to the right.
La Mousmé, 1888, National Gallery of Art, Washington D.C.
A blackbearded man in a uniform and red Fez; looks to the right
Le Zouave (half-figure), June 1888, Van Gogh Museum, Amsterdam (F423)

Prefiro pintar os olhos dos homens a ter que pintar catedrais,porque nos olhos há algo que não está nas catedrais;alguma coisa majestosa e imponente, na alma de um homem,algo que quando sendo pobre e maltrapilho,ou uma mulher de ralé,é mais interessante para mim ...Vincent


Imagem

 auto retrato 

andando “na estrada ensolarada para 

Tarascon 

 carregando seus 

apetrechos de pintura,com telas,

blocos de desenho,penas e pincéis:

as sementes de fé.
O Semeador "(1888) por Vincent van Gogh
A man is scattering seeds in a ploughed field. The figure is represented as small, and is set in the upper right and walking out of the picture. He carries a bag of seed over one shoulder. The ploughed soil is grey, and behind it rises standing crop, and in the left distance, a farmhouse. In the center of the horizon is a giant yellow rising sun surrounded by emanating yellow rays. A path leads into the picture, and birds are swooping down.
The Sower, 1888, Kröller-Müller Museum


“Considero que fazer estudos é como semear”, 
disse certa vez,anseio pela época da colheita”. 
Vincent van Gogh




"...As cores se sucedem como que sozinhas e ao tomar uma cor como ponto de partida me vem claramente a cabeça o que deduzir, e como chegar a dar-lhe vida. Não posso entender, por isso, a grosso modo, que um pintor faz bem quando parte das cores de sua palheta em vez de partir das cores da natureza. Interessa-me menos que minha cor seja precisamente idêntica, ao pé da letra, a partir do momento em que minha tela ela fique tão bela quanto na vida. A cor, por si só, exprime alguma coisa, não se pode prescidir disso, é preciso tomar partido. O que produz beleza, beleza verdadeira, também é verdadeiro e isso realmente é pintura e é mais belo que a imitação exata das próprias coisas."
 Vicent Van Gogh


Vincent van Gogh pintava sempre as árvores tão grandes que elas iam além das estrelas. As estrelas eram pequenas, o Sol e a Lua eram pequenos e as árvores eram imensas... Alguém lhe perguntou: Você é maluco? Por que nunca pára de pintar árvores tão grandes? A estrela mais longínqua fica a milhões e milhões de anos-luz e as suas árvores vão sempre além das estrelas! Que maluquice é essa?
E Van Gogh riu e disse: Eu sei! Mas sei de outra coisa também, da qual você não se dá conta. As árvores são os anseios da terra para transcender as estrelasEu estou pintando os anseios, não as árvores. Estou mais preocupado com a fonte, não com o objectivo. É irrelevante se elas alcançam as estrelas ou não. Eu pertenço à terra,sou parte dela e compreendo o anseio da terra. Esse é o anseio da terra expresso através das árvores ir além das estrelas. 
foreground has three erect trees in front of water reflecting green plants behind it, while the background has rows of trees, a few buildings and either trees or hills.
View of Arles, Flowering Orchards, 1889,
Neue Pinakothek 
a fixação de van gogh em estrelas e céu noturno, e principalmente no azul e dourado , cores da suprema consolação em cristo no céu. 

Quando sinto uma terrível necessidade de religião,
saio à noite para pintar as estrelas.
Vincent Van Gogh


noite estrelada sobre o ródano, setembro de 1888 - em destaque, o grande carro da ursa maior.



Quando sinto uma terrível necessidade de religião,
saio à noite para pintar as estrelas.
Vincent Van Gogh


reprodução

O céu no Ródano e em Saint Rémy visto por um Van Gogh a procurar Deus,no verão de 1889


Homem Velho Com a Cabeça em Suas Mãos - Van Gogh - undonut.com.br

HOMEM VELHO COM A CABEÇA EM SUAS MÃOS (1890)






E pouco a pouco eu posso vir a olhar para a loucura 

como uma doença como outra qualquer. 
Mas a questão do dinheiro, o que se faz, está sempre conosco, 
como o inimigo de frente para as tropas, 
e não pode ser negada ou ignorada.


                                                                                                                                                                                                 Retrato de Père Tanguy

Se você fosse pouco sério e pouco profundo, eu poderia temer que isso não durasse muito. Mas como acredito que você seja muito sério e muito profundo, sou levado a crer que isto durará.

Van Gogh Cartas a Théo.

Vincent e Theo enterrados lado a lado em Auvers-sur-Oise. A sepultura de Vincent traz a inscrição Ici Repose Vincent van Gogh (1853–1890), a de Theo Ici Repose Theodore van Gogh (1857–1891)



vinhedo-vermelhoEnquanto vivo, Vincent Van Gogh vendeu um único quadro, “O Vinhedo Vermelho”, pelo modesto valor de 400 francos. O comprador foi seu irmão Theo, que o sustentou durante sua vida e tinha todo o controle das dívidas contraídas pelo pintor anotado em um caderno.

Vindo a falecer 29 de julho de 1890, em uma suposta tentativa de suicídio, Van Gogh não presenciou a importância de sua obra em sequer um momento de sua vida, embora, nos dias de hoje, suas obras figurem entre as mais valiosas do mundo, chegando a custar centenas de milhões de dólares cada.Este é o único quadro que Vincent Van Gogh vendeu enquanto era vivo, lhe rendendo 400 francos, algo em torno de mil dólares nos dias de hoje.
Produzida em 1888, a tela foi comprada por Anna Boch em uma exposição realizada em Bruxelas em 1890. Anna era irmã de Eugene Boch, artista belga que havia sido tema de um retrato de Vincent alguns anosantes.
Agora ela se encontra no Museu Estatal Pushkin de Belas Artes, em Moscou.


Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre./internet
Museu Van Gogh - Site oficial do Museu Van Gogh, em Amsterdã, inaugurado em 1973. Contém biografia, fotos e reprodução de obras. Textos disponíveis em holandês, inglês, espanhol, italiano, alemão e japonês. 
Masp - Aqui podem ser conferidas as obras de Vincent van Gogh que fazem parte do acervo do Museu de Arte de São Paulo, o Masp. 
Van Gogh Gallery - Página em inglês, com muitas informações sobre o artista, incluindo biografia, cronologia e lista das principais obras, além de downloads de proteções de telas para computador. 
WebMuseum - O site traz reproduções de dezenas de quadros de van Gogh. 
Van Gogh's Letters - Site com cartas escritas por Van Gogh, catalogadas por data e assunto, com recurso adicional de busca por palavras. Em inglês. 
The Vincent van Gogh Gallery - Site em ingles sob responsabilidade de David Brooks, com 2.174 obras listadas e comentadas, entre desenhos, e pinturas.

Website Van Gogh & Gauguin - O site é do Museu van Gogh de Amsterdam e fala da relação entre os dois, mostra os quadros produzidos neste período, correspondências e críticas.  van Gogh, Bridges across the Seine at Asnières
Summer, 1887.



disse Van Gogh, em carta a seu irmão, 
“quanto mais caio aos pedaços, quanto mais inválido e fraco me sinto, 
tanto mais artista me torno; pois graças à doença 
concebo ideias em profusão para trabalhar”.

Postar um comentário