Minha Humildade



I. Louvado e glorificado és Tu, Ó Senhor, meu Deus! Como posso fazer menção de Ti, certo que estou de que nenhuma língua, por mais profunda que seja sua sabedoria, pode magnificar de um modo digno o Teu Nome, nem a ave do coração humano, por grande que seja seu anelo, esperar jamais ascender ao céu de Tua majestade e de Teu conhecimento.
Se eu Te descrever, Ó meu Deus, como Aquele que a tudo percebe, vejo-me levado a admitir que Aqueles que são as mais altas personificações da percepção foram criados em virtude de Teu mando. E se Te elogiar como Aquele que é o Onisciente, sou forçado, outrossim, a reconhecer que os Mananciais da sabedoria foram, eles mesmos, gerados mediante a operação de Tua Vontade. E se eu Te proclamar o Incomparável, breve descubro que Aqueles que são a mais íntima essência da unidade foram enviados por Ti e são apenas evidências da obra de Tuas mãos. E, se Te aclamar como o Conhecedor de todas as coisas, devo confessar que Aqueles que são a Quinta-Essência do conhecimento são apenas a criação e os instrumentos de Teu Desígnio.
Elevado, imensuravelmente elevado, és Tu acima das tentativas do homem mortal para desvendar Teu mistério, descrever Tua glória ou até mesmo dar uma ligeira noção da natureza de Tua Essência. Por mais que essas tentativas realizem, não podem esperar jamais transcender os limites que foram impostos ás Tuas criaturas, desde que esses esforços são ativados pelo Teu decreto e gerados de Tua invenção. Os mais sublimes sentimentos que os mais santos dos santos podem expressar em louvor a Ti e a mais profunda sabedoria que os homens de maior erudição podem pronunciar em seus esforços por compreender a Tua natureza, giram todos ao redor daquele Centro que está inteiramente sujeito à Tua soberania, que adora a Tua beleza e se move através do movimento, de Tua Pena.
Não! Proíbe, Ó meu Deus, tenha eu pronunciado tais palavras que devam, forçosamente, ter implicado a existência de alguma relação direta entre a Pena de Tua Revelação e a essência de todas as coisas criadas. Longe, longe, acima do conceito de tal relação, estão Aqueles relacionados a Ti! Nenhuma comparação ou semelhança faz jus à Árvore de Tua Revelação, e é vedado todo caminho que leva à compreensão do Manifestante de Teu Próprio Ser e do Alvorecer de Tua Beleza.
Longe, longe esteja de Tua glória o que o homem mortal possa de Ti afirmar ou a Ti atribuir, ou o louvor com que ele Te possa glorificar! Qualquer dever que Tu tenhas prescrito aos Teus servos para elogiarem no máximo Tua majestade e glória, não passa de um sinal de Tua graça a eles, para que possam ascender à posição concedida ao seu ser mais íntimo, à posição em que conheçam a si próprios.
Ninguém, a não ser Tu, em qualquer tempo, tem podido sondar o Teu mistério, ou louvar dignamente a Tua grandeza. Inescrutável e sublime além dos elogios dos homens, haverás de permanecer para todo o sempre. Nenhum outro Deus a senão Tu, o Inatingível, o Onipotente, o Onisciente, o Santo dos Santos.
II. O princípio de todas as coisas é o conhecimento de Deus, e o fim de todas as coisas é a estrita conformidade com tudo o que tiver sido mandado do empíreo da Vontade Divina, a qual abrange tudo o que está nos céus e tudo o que está na terra.
III. A Revelação que, desde tempos imemoriais, é aclamada como o Desígnio e a Promessa de todos os Profetas de Deus e o mais acalentado Desejo de Seus Mensageiros, torna-se agora acessível aos homens, em virtude da predominante Vontade do Todo-Poderoso e a Seu mando irresistível. O advento de tal Revelação foi prenunciado em todas as Sagradas Escrituras. Vede como, não obstante esse prenúncio, a humanidade se desviou de seu caminho e se excluiu de sua glória.
Dizei: Ó vós que amais ao Deus Uno e Verdadeiro! Esforçai-vos para que possais, em verdade, aceitá-Lo e conhecê-Lo e de um modo digno Lhe observar os preceitos. Esta é uma Revelação sob a qual, se um homem derramar por sua causa uma só gota de sangue, miríades de oceanos serão sua recompensa, Atentai, ó amigos, a fim de que não percais vosso direito a tão inestimável benefício, nem desprezeis seu transcendente grau. Considerai a multidão de vidas que foi e ainda está sendo sacrificada em um mundo iludido por um simples fantasma oriundo das vãs idéias de seus povos. Agradecei a Deus por haverdes atingido o Desejo de vosso coração e vos unido a Ele, a Promessa de todas as nações. Guardai, com a ajuda do Deus Uno e Verdadeiro - exaltada seja Sua glória - a integridade da condição à qual atingistes e aderi àquilo que promova Sua Causa. Ele, em verdade, vos prescreve o que é direito e o que leva a enaltecer a condição do homem. Glorificado seja o Todo-Misericordioso, o Revelador desta maravilhosa Epístola.
IV. Este é o Dia em que os mais excelentes favores de Deus manaram sobre os homens, o Dia em que Sua graça suprema se infundiu em todas as coisas criadas. Todos os povos do mundo devem reconciliar suas diferenças e, em paz e união perfeitas, se abrigar à sombra da Árvore de Seu cuidado e Sua benevolência. É mister aderirem a tudo o que, neste Dia, lhes possa elevar a condição e promover os melhores interesses. Felizes aqueles de quem a Pena toda gloriosa se dignou lembrar, e bem-aventurados os homens cujos nomes, em virtude de Nosso inescrutável decreto, preferimos ocultar.
Implorai a Deus, Uno e Verdadeiro, que conceda a todos os homens a graça de serem ajudados a cumprir o que for aceitável a Nosso ver. Breve será a presente ordem posta de lado, e uma nova se estenderá em seu lugar. Deveras, teu Senhor diz a Verdade e é o Conhecedor das coisas invisíveis.
V. Este é o Dia em que o Oceano da misericórdia de Deus se manifestou aos homens, o Dia em que o Sol de Sua bondade sobre eles irradiou seu esplendor, o Dia em que as nuvens de Sua plena graça abrigaram todo o gênero humano. Agora é o tempo de alegrar e refrescar o deprimido com a brisa revigorante do amor e da associação fraternal, com as águas viventes da amizade e da benevolência.
Os que são os bem-amados de Deus, onde quer que se reúnam e quaisquer que sejam aqueles com quem se encontrem, devem demonstrar, em sua atitude para com Deus e na maneira de celebrar Seu louvor e glória, tal humildade e submissão que cada átomo de pó sob seus pés ateste a profundidade de sua devoção. A conversação de que participam essas almas santas deve ser imbuída de tamanho poder que esses mesmos átomos de pó sejam estremecidos pela sua influência. Devem de tal modo se comportar que a terra em que pisam jamais tenha direito de lhes dirigir palavras como estas: "Devo ser preferida a vós. Pois podeis testemunhar quanto sou paciente em suportar o peso que o lavrador põe sobre mim. Sou o instrumento que a todos os seres concede, sem cessar, as bênçãos que me foram confiadas por Aquele que é a Fonte de todas as graças. Não obstante a honra que me foi concedida e as inumeráveis evidências de minha riqueza - riqueza esta que supre as necessidades de toda a criação - vede o grau de minha humildade, testemunhai com que submissão absoluta eu me deixo ser pisada sob os pés dos homens..."
Mostrai tolerância e benevolência e amor uns para com os outros. Se qualquer um dentre vós for incapaz de compreender uma certa verdade, ou estiver se esforçando por apreendê-la, mostrai um espírito de extrema gentileza e boa vontade ao conversar com ele. Ajudai-o a ver e reconhecer a verdade, não julgando que, no mínimo grau, lhe sejais superiores ou que possuais maiores dons.
O supremo dever do homem, neste Dia, é atingir seu quinhão da copiosa graça que Deus lhe dispensa. Que ninguém, pois, considere o tamanho do recipiente, quer seja grande ou pequeno. O quinhão de alguns poderia caber na palma da mão de um homem, o de outros poderia encher uma taça e o de outros até a medida de um galão.
Todos os olhos, neste Dia, devem procurar o que melhor possa promover a Causa de Deus. Ele, a Verdade Eterna, Me dá testemunho! Nada em absoluto, neste Dia, pode causar maior dano a esta Causa do que a dissensão e luta, contenda, alienação e apatia entre os amados de Deus. Evitai-as, através do poder de Deus e de Seu auxílio soberano, e esforçai-vos para unir os corações dos homens, em nome d'Ele, o Unificador, o Onisciente, a Suma Sabedoria.
Suplicai ao Deus Uno e Verdadeiro, que vos permita provar o sabor de tais açõesORAÇÕES E MEDITAÇÕES DE BAHÁ'U'LLÁH ...



    Chapada dos Veadeiros - GOResultado de imagem para imagens Chapada dos Veadeiros - GO.





                                                       I. Louvado e glorificado és Tu, Ó Senhor, meu Deus! Como posso fazer menção de Ti, certo que estou de que nenhuma língua, por mais profunda que seja sua sabedoria, pode magnificar de um modo digno o Teu Nome, nem a ave do coração humano, por grande que seja seu anelo, esperar jamais ascender ao céu de Tua majestade e de Teu conhecimento.
Se eu Te descrever, Ó meu Deus, como Aquele que a tudo percebe, vejo-me levado a admitir que Aqueles que são as mais altas personificações da percepção foram criados em virtude de Teu mando. E se Te elogiar como Aquele que é o Onisciente, sou forçado, outrossim, a reconhecer que os Mananciais da sabedoria foram, eles mesmos, gerados mediante a operação de Tua Vontade. E se eu Te proclamar o Incomparável, breve descubro que Aqueles que são a mais íntima essência da unidade foram enviados por Ti e são apenas evidências da obra de Tuas mãos. E, se Te aclamar como o Conhecedor de todas as coisas, devo confessar que Aqueles que são a Quinta-Essência do conhecimento são apenas a criação e os instrumentos de Teu Desígnio.
Elevado, imensuravelmente elevado, és Tu acima das tentativas do homem mortal para desvendar Teu mistério, descrever Tua glória ou até mesmo dar uma ligeira noção da natureza de Tua Essência. Por mais que essas tentativas realizem, não podem esperar jamais transcender os limites que foram impostos ás Tuas criaturas, desde que esses esforços são ativados pelo Teu decreto e gerados de Tua invenção. Os mais sublimes sentimentos que os mais santos dos santos podem expressar em louvor a Ti e a mais profunda sabedoria que os homens de maior erudição podem pronunciar em seus esforços por compreender a Tua natureza, giram todos ao redor daquele Centro que está inteiramente sujeito à Tua soberania, que adora a Tua beleza e se move através do movimento, de Tua Pena.
Não! Proíbe, Ó meu Deus, tenha eu pronunciado tais palavras que devam, forçosamente, ter implicado a existência de alguma relação direta entre a Pena de Tua Revelação e a essência de todas as coisas criadas. Longe, longe, acima do conceito de tal relação, estão Aqueles relacionados a Ti! Nenhuma comparação ou semelhança faz jus à Árvore de Tua Revelação, e é vedado todo caminho que leva à compreensão do Manifestante de Teu Próprio Ser e do Alvorecer de Tua Beleza.
Longe, longe esteja de Tua glória o que o homem mortal possa de Ti afirmar ou a Ti atribuir, ou o louvor com que ele Te possa glorificar! Qualquer dever que Tu tenhas prescrito aos Teus servos para elogiarem no máximo Tua majestade e glória, não passa de um sinal de Tua graça a eles, para que possam ascender à posição concedida ao seu ser mais íntimo, à posição em que conheçam a si próprios.
Ninguém, a não ser Tu, em qualquer tempo, tem podido sondar o Teu mistério, ou louvar dignamente a Tua grandeza. Inescrutável e sublime além dos elogios dos homens, haverás de permanecer para todo o sempre. Nenhum outro Deus a senão Tu, o Inatingível, o Onipotente, o Onisciente, o Santo dos Santos.
II. O princípio de todas as coisas é o conhecimento de Deus, e o fim de todas as coisas é a estrita conformidade com tudo o que tiver sido mandado do empíreo da Vontade Divina, a qual abrange tudo o que está nos céus e tudo o que está na terra.
III. A Revelação que, desde tempos imemoriais, é aclamada como o Desígnio e a Promessa de todos os Profetas de Deus e o mais acalentado Desejo de Seus Mensageiros, torna-se agora acessível aos homens, em virtude da predominante Vontade do Todo-Poderoso e a Seu mando irresistível. O advento de tal Revelação foi prenunciado em todas as Sagradas Escrituras. Vede como, não obstante esse prenúncio, a humanidade se desviou de seu caminho e se excluiu de sua glória.
Dizei: Ó vós que amais ao Deus Uno e Verdadeiro! Esforçai-vos para que possais, em verdade, aceitá-Lo e conhecê-Lo e de um modo digno Lhe observar os preceitos. Esta é uma Revelação sob a qual, se um homem derramar por sua causa uma só gota de sangue, miríades de oceanos serão sua recompensa, Atentai, ó amigos, a fim de que não percais vosso direito a tão inestimável benefício, nem desprezeis seu transcendente grau. Considerai a multidão de vidas que foi e ainda está sendo sacrificada em um mundo iludido por um simples fantasma oriundo das vãs idéias de seus povos. Agradecei a Deus por haverdes atingido o Desejo de vosso coração e vos unido a Ele, a Promessa de todas as nações. Guardai, com a ajuda do Deus Uno e Verdadeiro - exaltada seja Sua glória - a integridade da condição à qual atingistes e aderi àquilo que promova Sua Causa. Ele, em verdade, vos prescreve o que é direito e o que leva a enaltecer a condição do homem. Glorificado seja o Todo-Misericordioso, o Revelador desta maravilhosa Epístola.
IV. Este é o Dia em que os mais excelentes favores de Deus manaram sobre os homens, o Dia em que Sua graça suprema se infundiu em todas as coisas criadas. Todos os povos do mundo devem reconciliar suas diferenças e, em paz e união perfeitas, se abrigar à sombra da Árvore de Seu cuidado e Sua benevolência. É mister aderirem a tudo o que, neste Dia, lhes possa elevar a condição e promover os melhores interesses. Felizes aqueles de quem a Pena toda gloriosa se dignou lembrar, e bem-aventurados os homens cujos nomes, em virtude de Nosso inescrutável decreto, preferimos ocultar.
Implorai a Deus, Uno e Verdadeiro, que conceda a todos os homens a graça de serem ajudados a cumprir o que for aceitável a Nosso ver. Breve será a presente ordem posta de lado, e uma nova se estenderá em seu lugar. Deveras, teu Senhor diz a Verdade e é o Conhecedor das coisas invisíveis.
V. Este é o Dia em que o Oceano da misericórdia de Deus se manifestou aos homens, o Dia em que o Sol de Sua bondade sobre eles irradiou seu esplendor, o Dia em que as nuvens de Sua plena graça abrigaram todo o gênero humano. Agora é o tempo de alegrar e refrescar o deprimido com a brisa revigorante do amor e da associação fraternal, com as águas viventes da amizade e da benevolência.
Os que são os bem-amados de Deus, onde quer que se reúnam e quaisquer que sejam aqueles com quem se encontrem, devem demonstrar, em sua atitude para com Deus e na maneira de celebrar Seu louvor e glória, tal humildade e submissão que cada átomo de pó sob seus pés ateste a profundidade de sua devoção. A conversação de que participam essas almas santas deve ser imbuída de tamanho poder que esses mesmos átomos de pó sejam estremecidos pela sua influência. Devem de tal modo se comportar que a terra em que pisam jamais tenha direito de lhes dirigir palavras como estas: "Devo ser preferida a vós. Pois podeis testemunhar quanto sou paciente em suportar o peso que o lavrador põe sobre mim. Sou o instrumento que a todos os seres concede, sem cessar, as bênçãos que me foram confiadas por Aquele que é a Fonte de todas as graças. Não obstante a honra que me foi concedida e as inumeráveis evidências de minha riqueza - riqueza esta que supre as necessidades de toda a criação - vede o grau de minha humildade, testemunhai com que submissão absoluta eu me deixo ser pisada sob os pés dos homens..."
Mostrai tolerância e benevolência e amor uns para com os outros. Se qualquer um dentre vós for incapaz de compreender uma certa verdade, ou estiver se esforçando por apreendê-la, mostrai um espírito de extrema gentileza e boa vontade ao conversar com ele. Ajudai-o a ver e reconhecer a verdade, não julgando que, no mínimo grau, lhe sejais superiores ou que possuais maiores dons.
O supremo dever do homem, neste Dia, é atingir seu quinhão da copiosa graça que Deus lhe dispensa. Que ninguém, pois, considere o tamanho do recipiente, quer seja grande ou pequeno. O quinhão de alguns poderia caber na palma da mão de um homem, o de outros poderia encher uma taça e o de outros até a medida de um galão.
Todos os olhos, neste Dia, devem procurar o que melhor possa promover a Causa de Deus. Ele, a Verdade Eterna, Me dá testemunho! Nada em absoluto, neste Dia, pode causar maior dano a esta Causa do que a dissensão e luta, contenda, alienação e apatia entre os amados de Deus. Evitai-as, através do poder de Deus e de Seu auxílio soberano, e esforçai-vos para unir os corações dos homens, em nome d'Ele, o Unificador, o Onisciente, a Suma Sabedoria.
Suplicai ao Deus Uno e Verdadeiro, que vos permita provar o sabor de tais ações ORAÇÕES E MEDITAÇÕES DE BAHÁ'U'LLÁH ...
Resultado de imagem para imagens Chapada dos Veadeiros - GO.


                                                                                                              Chapada dos Veadeiros - GO.
Postar um comentário